quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Observando M6 e M7

M6 e M7 são os dois objetos Messier juntos a cauda da constelação de Escorpião. Foram alguns dos primeiros objetos que observei. Como cabem no mesmo campo binocular e M7 é facilmente visível a olho nu mesmo em areas suburbanas são alvos ideais para o iniciante. M7 é conhecido também como o Aglomerado de Ptolomeu. M6 como o aglomerado da Borboleta.
M7 é um monstro . M6 mais delicado. Ambos são visíveis com um binóculo 10x50 em ambiente urbano.

M6 foi descoberto ( descrito?) por Hodierna antes de 1654. Posteriormente foi catalogado por Cheseaux , Lacaille e finalmente Messier em 23 de maio de 1764. Seu formato lembra claramente os contornos de uma borboleta e brilha com magnitude 4,2. Facilmente percebido a olho nu.  Distante 1.600 anos luz. Cobre um area de cerca de 12 anos luz. Cerca de 80 membros.

M7 é conhecido e catalogado por Ptolomeu no sec.II. Uma area enevoada junto a cauda de escorpião. Sobrevive até a condições extremas de poluição luminosa. Brilhando com 3.3 de magnitude já observei em locais de extrema poluição luminosa. Sempre mostra algo. Mesmo que não se resolva ( o que é muito difícil.) . Foi também incluído nos catálogos de Hodierna, Halley,Lacaille e Messier.
Há cerca de 800 anos luz  possui cerca de 80 estrelas mais brilhantes que 10 magnitude. Cobre uma extensão Linear de 18 a 20 anos luz.

São ambos alvos binoculares e M6 se resolve com pequenos telescópios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário