domingo, 31 de maio de 2015

M 4 - Astrofotografias de um Globular Notável

          

          Tentando concluir o meu antigo projeto de fotografar todos os membros do Catalogo Lacaille aproveitei uma excursão profissional para capturar alguns dos elementos que ainda se encontram foragidos. Por uma daquelas coincidências que nada tem a ver com as leis fundamentais do universo e que se somadas dão 42 estes são todos alvos fáceis de serem localizados e que os observei mais que algumas dezenas de vezes. Talvez por serem todos também membros do Catalogo Messier e diretamente associados a este acabaram sendo deixados para trás na missão Lacaille. São todos habitantes da Região central da Galaxia e se espalham por Escorpião(3) e Sagitário (1).
            Este post é dedicado ao primeiro elemento a ser detido para fotografias. As prisões foram realizadas em ordem numérica e seguindo a ordem que foi estabelecida por Charles Messier ainda no Séc. XVIII.   
            M4 possui uma relativamente curta história até ser batizado desta forma. Ele é uma descoberta original de De Cheseaux em 1746. Lacaille o inclui em seu catalogo em 1752 e o registrou como Lac I.9 ( a nona entrada de nebulosas do tipo 1) Sua descrição é tão concisa como na maioria das vezes: " parece o nucleo de um fraco cometa". E finalmente Messier o catalogou  na sua lista de objetos a não serem observados em 1764. Foi sua quarta entrada.
            Ele o descreve assim: " Aglomerado de Estrelas bem tênues. Com um pequeno telescópio parece ser uma nebulosa. Este aglomerado é próximo a Antares e no mesmo paralelo. Observado por
M. de la Caille e incluído em seu catalogo. Observado novamente em 30 de janeiro e 22 de março 1781".
            Ainda mais tarde ele ganhou seu Registro no New General Catalog de Dreyer. Ngc 6121.
            Localizar M 4 é muito fácil. Localizado a pouco mais de 1o de Antares ( Alpha Scorpio)foi um dos primeiros DSO´s que observei. Pela foto abaixo você conseguirá ver que a navegação entre Antares e M4 é bastante simples. Pela buscadora ambos estarão no mesmo campo e utilizando uma ocular de 25 ou mais milímetros no telescópio será um fácil salto entre estes.
M4 é facilmente percebido como uma estrela enevoada acima e a direita de Antares. Antares é a estrela avermelhada pouco abaixo  do centro da foto.

            O aglomerado é uma bola de algodão celestial mesmo para binóculos bem modestos. Com pouco aumento telescópios começarão a resolver membros individuais  63entre suas estrela que começam a se apresentar com magnitude de 10.8 ; uma evidente barra central é formada por uma coleção de estrelas entre 11a e 12a magnitude que se destacam das demais. Esta estrutura é descrita por diversos autores e Herschel ( o descobridor de Urano) a destaca já em 1783 como uma "aresta" formada por 8 a 10 belas estrelas brilhantes. Esta caracteristica levou O´Meara a batizar M4 com o 'Aglomerado Olho de Gato" por parece-lhe uma pupila felina cruzando o globular.
10 exp;X 30 segundos no Deep Sky Stacker . ASA 6400. foto realizada com o "Galileu"" um refrator de 70 mm em montagem EQ2. A foto que abre o Post foi realizada com o " Newton" . Um refletor de 150 mm e com uma montagem HEQ 5 pro. 25 fotos de 30 seg ASA 3200.  Percebam a diferença... 
            M4 é considerado o 2o globular mais próximo da Terra. A 7.200 anos luz ele só perde para Ngc 6317 e mesmo assim a decisão é no Photo Chart e controversa...
            Como quase todos aglomerados globulares M4 é membro do Conselho de Anciões do Universo e tem entre 10 e 13 bilhões de anos de Idade. depende da fonte. 12.2 bilhões de anos parece ser a idade mais aceita e de fonte mais recente...

            O aglomerado passa bem perto do centro galáctico durante sua orbita de 116 (+-3) milhões de ano ao longo do halo galáctico. Com isto já foi possivelmente mais denso e rico. Ele é destripado de tempos em tempos pela gravidade...
1 Exposição 30 segundos ASA 6400
            M 4 possui algumas estrela notáveis. Uma delas é uma anã branca que parece ser uma das mais antigas da galaxia com estimados 13 bilhões de anos. Possui ainda uma outra anã branca que participa de um sistema binário com um pulsar e que possui um planeta com massa de cerca de 2,5 a de Júpiter a sua volta. Por fim foi registrado outro Pulsar (1987) que possui um período e 3.0 mili segundos. 10 vezes mais rápido que o Pulsar da Nebulosa do Caranguejo ( M 1).
            M 4 é realmente um bom começo de passeio pela região do Escorpião que vai dominar os céus pelos próximos meses...


                

terça-feira, 26 de maio de 2015

Astrofotografia, Whisky, Wine and Gin.


               Há tempos sem realizar astro fotos por estar tendo muito trabalho ( adoro o dólar caro...) e com o Newton, um refletor de 150 mm, aguardando por peças para voltar a atividade eu não imaginava ter grandes oportunidades para praticar a "difícil arte".
                Existe o trabalho. Isto parece ter algo a ver com uma mulher ter comido uma maçã.E uma cobra...
                Mas mesmo existindo o trabalho existem certas diferenças. Existem o trabalho , o emprego, a profissão  e a cachaça.  Meu trabalho é como cachaça.
                E graças a  minha profissão me vi envolvido em um projeto que acabaria me permitindo fazer algumas fotos bem interessantes, adiantar o meu projeto sobre o catalogo Lacaille e beber mais do que é normalmente muito...
O Quiver do campeão...

                Passei os últimos dez dias acompanhando ( ou tentando acompanhar...) o novo campeão mundial de surf.
                Depois de um inicio  filmando a etapa do Mundial no Rio de Janeiro e de ter tomado um drible de nosso herói devido a uma desclassificação prematura acabo sendo enviado junto com uma equipe nem tão reduzida para a Praia de Maresias no litoral norte de São Paulo em busca de imagens do Gabriel ( já eramos grandes amigos a esta altura sem nunca termos nos visto) junto com sua família e de uma entrevista.
O Furgão e as curvas da estrada de Santos...
                Desta forma a minha profissão começa a apresentar suas armas. E então possuo um pequeno furgão com um monte de refletores, prolongas , geradores e afins a minha disposição para que  levar o meu bom e velho "Galileo" (um refrator de 70 mm)  e todas as traquitanas necessárias para fazer astro fotos  no Litoral norte de São Paulo e aproveitar-me de céus muito mais escuros e desobstruídos que na Stonehenge dos Pobres . É como é batizei o "Observatório Mais Urbano do Mundo" e situado na janela de meu apartamento.
                Uma equipe de filmagem é constituída por um monte de pessoas com empregos não muito conhecidos e com pretensão de serem algo muito importante.  Assim é sempre muito espaçosa e folgada. Graças a isto consigo apagar todas as luzes na área de lazer do simpático hotel que ocupamos alegando que precisava realizar um time lapse para nosso filme .
                Na primeira noite logo após observar o belo alinhamento da lua com Vênus e Selene e esta se esconder estou com o Galileo montado em uma área bem escura e com um céu "Bortle 4" sobre mim.
M4

 M8

                 Estava a muito tempo sem utilizar o Galileo e nem me lembrava mais de quão modesto este era.  Apesar de suas limitações ele ainda assim é um bom representante da classe dos refratores.  Mesmo parado e largado na estante da sala há muito tempo ele não esta nem pior nem melhor do que sempre foi. Possuindo aberração cromática e pouca definição. Fiel. Eu é que esqueci que para observar com refratores é bom possuir uma diagonal. E assim preciso relembrar minha ultima encarnação como contorcionista para observar algo.
                Mesmo assim na primeira noite da minha estada junto ao telescópio faço boas capturas de todos os objetos pertencentes a catalogo Lacaille que habitam Escorpião. E de quebra faço uma visita a Nebulosa da Lagoa (M8) . Outro Lacaille...  Na verdade todas as capturas da noite são pertencentes a ambos os catálogos . Messier elegantemente sempre deu créditos as descobertas realizadas por Lacaille. Afinal membros da mesma academia este não poderia ignorar o trabalho realizado anteriormente pelo Abbe.
M 6

M 25

                O Galileo não tem o mesmo poder de fogo do Newton e assim conseguir focar DSO´s neste é uma operação mais difícil e funciona  pelo  método de tentativa-erro. Não percebo estrelas de campo fortes o suficiente para serem reveladas pelo meu sensor C-MOS no live view da câmera... Mas mesmo assim consigo alguns resultados satisfatórios e me dou por feliz. Para ser sincero estas são as melhores fotos que já obtive utilizando meu refrator. Este é uma serie "low end" da Celestron e mesmo assim é capaz de revelar todo catalogo Lacaille e mesmo o Messier.  Graças a um alinhamento polar bem realizado combinado com o pequeno peso do conjunto a combinação deste ( que é vendido com uma montagem Eq1) com a montagem mais robusta permite exposições bem mais longas que o Newton e um acompanhamento mais acurado...
                Encero primeira noite antes do que gostaria devido aos compromissos  da manhã seguinte.
                A  filmagem acaba cedo . No próximo dia teríamos folga e assim a noite prometia. Pena que um bando de cineastas e afins  reunidos e com um dia de folga em uma locação distante do lar implica em dar uma "dimensão cinematográfica" para uma bebedeira. E  ao som de "Tim Pan Alley"  ( de Robert Geddins e interpretada por Steve Ray Vaughan) a noite vai assim : "Livin´ for their whisky , wine and gin..." . Não houve foco nem com auxilio do 1o assistente de câmera ( também conhecido como foquista).
M 7

                Na noite seguinte decidi partir para um "approach" diferente. Desisti rapidamente do contorcionismo que seria necessário para localizar e fotografar M83.  Com um alinhamento polar bastante aceitável, que eu conseguira durante a  primeira noite (utilizando o "método preguiçoso")   e mantendo o tripé morando na local que tinha isolado na área de lazer do hotel ( equipe de filmagem são folgadas ...) decidi experimentar como a minha montagem EQ-3 se comportaria utilizando apenas a Canon T3 equipada com a lente zoom 75-300 mm @ 80mm e com abertura de f4 acoplada a ela.   E para fazer a moda da casa eu "pluguei" (do verbo "to plug") a mesma ao meu lap top e com auxilio do Canon Utilities realizei as exposições mais longas que já fiz na vida sentado em uma mesa e bebendo champagne de verdade. A Eq 3 se saiu muito bem e assim consegui imagens de algumas belas regiões da Via láctea. Capturei muitos frames com exposições entre 1 e 2 minutos. E estas deram certo. A Eq 3 funciona como uma plataforma muito boa com este  set up ainda mais leve. 

Região de Theta e Eta Carina...

                   Neste segundo round fazendo fotos de com um campo maior e com exposições bem longas preferi reduzir a ASA de 6400 para 1600. As fotos anteriores me incomodaram devido ao extremo ruído....
                   Fiz planos super ambiciosos para  próxima noite. Afinal na manhã seguinte seria apenas levantar , entrar na van e voltar para para  Rio .  Pretendia dormir a viagem inteira.  O trajeto entre Maresias e o Rio de Janeiro dura 8 horas seguindo-se as curvas da estrada de Santos...
                Mas aí o tempo e o céu se fecharam. Murphy falou mais alto e tudo indicava que o mar iria subir. Mas então já era tarde demais para filmar o Medina surfando em casa. Teriam que abrir outra diária e muitos de nós já tinham outros compromissos. Inclusive eu.  Vida de free lancer é dura. Mas depender de nós também...


                E sem céu sem fotos. Sem fotos.. Whisky, wine and gin.