sábado, 31 de maio de 2014

Ngc 3532: A Fonte dos Desejos

     


           Ngc 3532 estaria incluída em qualquer lista de maravilhas celestiais. Tanto ao norte como ao sul do equador. Entre as jóias da família real  austral ela seria uma das coroas.
            Localizado ( este DSO é um outro objeto com problema de gênero...) em uma das mais ricas áreas da Via Láctea e que é compreendida entre a Falso Cruzeiro e  Crux ( o verdadeiro Cruzeiro do Sul)  este belíssimo aglomerado galáctico de 3a magnitude escolta outras maravilhas cósmicas como "A Grande Nebulosa de Eta Carina" (Ngc 3372) e " As Plêiades do Sul"  (IC 2602) .
            Apesar de sua descoberta ser atribuída a Lacaille é quase certo que este brilhante "nó" no rio galáctico seja conhecido desde a mais remota antiguidade.  Apesar de suas estrelas não serem percebidas a olho nu o conjunto da obra é evidente mesmo em céus nem tão escuros. Parece como uma corredeira em um rio. Um estreito  onde a  agua se torna mais veloz.  De volta a Lacaille ele listou o aglomerado como a 10a entrada na classe II de seu catalogo de 1755. E assim ele virou Lac II .10. Ele descreve o aglomerado assim: " Um prodigioso numero de tênues estrelas formando um semi-círculo com 20/25 minutos de arco".
            Posteriormente James Dunlop também inclui o aglomerado em seu catalogo realizado em Paramatta  na Austrália e com um telescópio bem superior as modestas lunetas de Lacaille. Mas sua descrição não faz jus a beleza do cenário. " Um grande aglomerado com estrelas ao redor de 9a  magnitude com uma estrela avermelhada de 7-8a  magnitude ao norte ( nordeste) do centro do aglomerado. Com um formato elíptico e com a estrelas distribuídas de forma bem uniforme. "
            John Herschel ( que adorava esculhambar com o trabalho de Dunlop) definiu o aglomerado  com "Soberbo". " O mais brilhante objeto do tipo que já vi nos céus". William Pickering também teceu comentário bajulador sobre 3532 - O mais belo aglomerado irregular do céu.
            Ngc 3532 é um aglomerado de muitos nomes. Todos justificáveis. O´Meara ( que adora inventar apelidos para DSO´s) diz que um observador australiano apresentou o aglomerado para ele como o " Aglomerado da Almofada de Alfinetes"( Pincushion Cluster) e um outro apelido mais comum é o "Aglomerado Fonte dos Desejos" ( Wishing Well Cluster). Este devido as estrelas esparramadas pelo céu lembrarem as moedas jogadas no fundo da fonte.

            Em um estudo fotométrico realizado nos anos 70 e publicado em 1980 por J.A. Fernadez e C.W. Salgado  os autores a determinam que o aglomerado encontra-se a 490 Parsecs do sol (1600 anos luz) e tem uma idade de 200 milhões de anos . Isto faz dele um aglomerado de idade intermediaria. Estimativas mais recentes dão 300 milhões de anos para o aglomerado. Algo entre M37 em Auriga e o M 44 (400 milhões)   em Câncer. O aglomerado tem a maior parte de suas estrelas mais massivas concentradas na parte central e possui uma massa total de aproximadamente 2000 sóis. Foram encontradas entre 7 e 11 estrelas ( dependendo do autor) que se encontram no ramo gigante ou super gigante do aglomerado. Estas 7 são muito provavelmente membros já evoluídos e realmente pertencentes ao aglomerado.

            Aqui da " Stonehenge dos Pobres" e de sua barbara poluição luminosa Ngc 3532 não chega a ser percebida a olho nu nem como suspeita. Mas com a ajuda de qualquer aparelho ótico ela se revela ( Mesmo meupequeno Binóculo de opera). Na buscadora 10x50 o aglomerado apresenta mais de uma dezena de membros. Com 48X o aglomerado apresenta´se na integra. Cobre todo o campo e percebe-se o colorido do grupo. E também um grande numero de estrelas duplas. Com 120x ele cobre mais de um campo e percebem-se ainda mais duplas. O aglomerado é melhor observado com pequenas magnificações. Ele faz bonito no meu  binóculo15X70 mm.
21 exp.X20 seg. ASA 3200. DSS e PhotoShop CS5. Newtoniano 1200 mm F8
            Ngc 3532 é um belo alvo fotográfico e  com quase 1o por 1o  o aglomerado enche o sensor de minha T3. E apesar de um alinhamento polar feito as pressas e sem nenhum compromisso  consigo um registro que apresenta o aglomerado na integra.
            Ngc 3532 é parada obrigatória em Carina.                                                              
                                                                                           
Outro tratamento. 
                     

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Ngc 3766: " A Whiter Shade of Pale"

           


               Ngc 3766 é um dos mais belos aglomerados abertos dos céus. O apelido de "O Aglomerado da Pérola" é bastante apropriado. Com diversas estrelas de um branco azulado a associação é imediata. Um cordão de pérolas  na coleção da Coroa Austral.
            Localizado  bem no meio da linha que liga Acrux ( a Cruzeiro) e a Nebulosa de Eta Carina e a apenas 1 1/2o  do Aglomerado de Lambda Centauro ( outra região nebulosa) é também a entrada de numero 97 do Catalogo  Caldwell. O aglomerado reside na complexo molecular de Carina, uma gigantesca coleção de nuvens de Hidrogênio  que é associada a algumas das estrelas mais massivas da galáxia . Tais nuvens são lar de intensa formação estelar. Devido a isto a região é habitada por quentes e jovens corpos incluindo numerosas estrelas Be. Ngc 3766  possui mais estrelas deste tipo que qualquer outro aglomerado conhecido. Isto faz dele extremamente estudado e de imenso interesse cosmológico.
            Estrelas do tipo Be apresentam uma linha de emissão distinta das estrelas do tipo B. elas perdem massa para uma concha que se expande e acredita-se que apresenta uma prodigiosa rotação que chega a criar um disco junto ao seu equador. Semelhantes as menos massivas estrelas do tipo T Tauri estrelas do tipo Be são supostamente a ultima fase de uma proto estrela antes de esta se assentar na sequência principal com o fim das chamadas contrações de Hayashi.
            Não bastando isto Ngc 3766 é o local da descoberta de um novo tipo de variável. Segundo um recente estudo (2013) realizado por N. Mowlavi, F. Barblan, S. Saesen, and L. Eyer , do Observatório de Genebra por lá existem estrelas pulsantes do tipo B. (Na verdade Slowly Pulsating B Stars, SPB).  36 delas . Estas estrelas apresentam um período de variabilidade de 0.1 a 0.7 dias e com uma amplitude entre 1 e 4 Micro magnitudes. Os equipamentos modernos levam as coisas até uma precisão ridícula...  Mas trata-se de uma novidade em evolução estelar já que nestas bandas do Diagrama H-R as estrelas não deveriam pulsar.  Os pesquisadores recomenda que se procurem por mais estrelas desta classe . Especialmente em aglomerados com grande numero de estrelas Be.
            Ngc 3766 foi descoberta pelo Abbe Lacaile em 5 de março de 1752 em seu levantamento do céus austrais realizado a partir da Cidade do Cabo. Ele inclui  aglomerado em sua categoria III . Estrelas acompanhadas de nebulosidade. Com seus pequenos aparelhos é de se supor que ele percebia apenas as duas gigantes vermelhas que margeiam o aglomerado sem resolver os outros membros. O aglomerado não apresenta nenhuma nebulosidade.
            Herschel o descreve assim: " Precedido por duas estrelas principais um belo, grande , frouxo , arredondado aglomerado de estrelas de 8a 122 magnitude gradualmente muito mais brilhante no centro. 150 a 200 estrelas ( h3352).
            Dunlop em seu imenso catalogo elaborado em apenas sete meses observou 3766 por 5 vezes. Sua descrição é bastante completa: " Um aglomerado bem grande de estrelas de magnitudes misturadas com cerca de 10´ de diâmetro. Um grande numero de estrelas é de um branco pálido. Tem uma estrela vermelha em um dos lados e outra do mesmo tamanho e cor do lado oposto ; uma pequena estrela avermelhada próxima ao centro; e uma estrela amarela ao sul ; tudo dentro do aglomerado."
            A distancia do aglomerado é alvo de controvérsia e segundo o estudo realizado por Y. Aidelman, L. S. Cidale , J. Zorec , and M. L. Arias em 2012 encontra-se entre 4,8 e 7 mil anos luz de distancia. O´Meara nos dá a distancia de 5,8 mil anos Luz. È sabidamente um aglomerado jovem mas sua idade precisa é também alvo de controvérsia . Encontrei em papers mais antigos valores entre 14,5 e 25 milhões de anos. No trabalho já citado e com uma metodologia muito moderna os autores chegaram a um valor mais alto. 30,7  + 7,9 milhões de anos.  Abaixo o diagrama HR dos colegas...


             Localizar 3766 é bastante fácil e utilizando uma buscadora ótica é quase inevitável acha-lo passeando por entre o Cruzeiro do Sul e Eta Carina. Partindo-se de Lambda Centauro (que é visível a olho nu mesmo em grandes centros) é um pequeno passo rumo norte... È um alvo também muito interessante com binóculos. Magnitude  5.3 





            Passear os olhos por 3766 é um prazer. É um aglomerado com vários detalhes preciosos. Pode-se perceber diversas estrelas duplas em meio ao aglomerado e áreas escuras que lembram lagoas. As duas gigantes vermelhas que escoltam o aglomerado tem sua cor discutida em prosa e verso. Uma delas é a variavel pulsante V0910 Cen. Um projeto para quem gosta de variaveis. Diversas estrelas coloridas pontilhando a piscina cheia de perolas que me levam a lembrar de Procol Harum e de seu clássico "Whiter Shade of Pale".  Um bom som para acompanhar um passeio até este rico aglomerado...




                 
                       O Video é uma delicia. Um video clip de antes da invenção do video clip. 

terça-feira, 13 de maio de 2014

Lynga 2 : O Aglomerado "Mea Culpa" e um Segredo Austral

            


        "Confiteor Deo omnipotenti, beatae Mariae semper Virgini, beato Michaeli Archangelo, beato Joanni Baptistae, sanctis Apostolis Petro et Paulo, omnibus Sanctis, et tibi pater: quia peccavi nimis cogitatione verbo, et opere: mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa. "
          


Lynga 2  10X20 seg +5 dark frames DSS. "Croped" de uma imagem maior

             Feita esta Mea Culpa pretendo esclarecer a questão.
            Em meu ultimo Post cheguei a brilhante conclusão de Lynga 2 seria um aglomerado aberto ancião e já a caminho da dissolução e abarrotados de estrelas que já estariam abandonando a sequência principal.  E mais ainda. Que não havia nenhum paper a respeito para eu consultar .  Tudo errado.
              Mas vou começar pelo começo.
            Localizei o aglomerado meio que ao acaso. Na verdade ele foi um daqueles DSO´s que eu acho que tive o prazer de descobrir. Só para depois ver que nem tudo é o que parece ser.  O Cartes du Ciel geralmente corta o meu barato.
            Enquanto procurava por NGC 5617 por entre a e b Centauro eu me deparo por um agrupamento delicado de estrelas em um campo relativamente rico de estrelas. O Radar de DSO´s começa a apitar. Apesar de delicado e de ter estrelas tenues envolvidas o habito me leva  acreditar que achei algo. Na verdade o "ajuntamento" de pequenas estrelas me remete a Ngc 5281: " O Aglomerado de Cheshire " . Um vizinho próximo.
            Faço uma foto e parto em pesquisa. Astronomia em sua forma mais pura. Observação seguida de pesquisa.
Foto original. As três pequenas estrelas a esquerda do aglomerado não fazem parte do mesmo. Mas o colorido de HD125975 me enganou duas vezes . Primeiro achei que seria uma Gigante vermelha. E segundo que fazia parte do Conjunto. Ela é uma estrela da sequência principal e uma anã laranja ( K& III) . E não faz parte do aglomerado. O Campo da região é bem rico e colorido...



            Em rápida visita ao Google elimino a possibilidade de ter chegado até  Ngc 5617.  Parto então para o Cartes du Ciel . Procurar por aglomerados abertos obscuros não é tarefa para o Stellarium. Este utilizo para a navegação junto ao telescópio. Rapidamente descubro que na area existem mais três pequenos abertos a disposição. Mas com um golpe de olho e um pouco de bom senso imagino que a vitima seja Lynga 2. Rapidamente descubro uma de suas estrelas membro (HD 125880) e depois faço uma visita ao site do Astrometry. Quando ele emite sua resposta minha duvida cósmica esta respondida.  Eu não entrei para a posteridade. Assim como outros antes de mim achei um DSO já descoberto " de forma independente".  




          
Não resta duvida...
       Continuando minhas pesquisas descubro que o obscuro Catalogo Lynga nem é tão obscuro assim. Não é um dos catálogos mais clássicos mas é bem manjado.   Trata-se de um catalogo reunindo informação sobre aglomerados abertos como compilados por Gosta Lynga do  Observatório Lund. O Objetivo do catalogo é reunir  consideravel informação (salient data) para todos os aglomerados abertos de nossa galaxia. Na medida do possível somente valores pré publicados foram utilizados em seus mais de 80 parâmetros
            O banco de dados utilizado é , parcialmente, fruto da integração do trabalho de K.Janes . C. Duke e G. Lynga. e assim chamado de banco JDL.
            Creio que o objetivo de atingir todos os aglomerados abertos da galaxia ficou para o abraço. O trabalho inicial de Lynga data de 1964 e atinge apenas de Centauro até Norma. ( G. Lynga, 1964. Studies of the Milky Way from Centaurus to Norma. II. Open Clusters. Medd. Lunds Ser. II No. 140. 14 clusters (Lynga 1-14)). Mas encontrei atualizações datadas de 1987...
            De qualquer forma Lynga 2 existe e ao contrário de meu infeliz palpite possui alguns estudos mais sistemáticos que os "achismos" do Nuncius Australis.
            Curiosamente encontro um belo paper que inclui um detalhado levantamento sobre Lynga 2 e alguns outros aglomerados menos famosos. E realizado no Brasil.
            Um trabalho (Faint open clusters with 2MASS: BH63, Lyngå2, Lyngå12 and King20)  elaborado no deportamento de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. E de autoria de E. Bica, C. Bonatto, and R. Blumberg. O trabalho foi publicado no " Astronomy & Astrophysics" em 2006
            E nele encontro a verdade sobre o mesmo. O qual é curiosamente o mais estudado dos aglomerados citados no paper dos colegas...
            Quanto a sua idade ( que eu já tinha considerado provecta) ha dados um pouco conflitantes . E o resultado obtido pelo levantamento em questão é completamente oposta ao meu palpite. Meros 90.000.000 de anos. ( +-10 .000.000), Mas em estudos anteriores foram calculados valores distintos. O que mais me agradou ( eu sei que isto não é exatamente boa ciência . Mas aqui também não é uma democracia...) foi feito por Karchenko em 2005 e diz o seguinte:
Idade- 260.000.000 de anos ( bem perto de meu palpite sem um valor estabelecido...)
Distancia do Sol- 1000 Parsecs.
            Lynga 2 possue algo em torno de 100 membros e um considerável numero de estrelas de pequena massa. E estando a 0.9Kpc de nós é um aglomerado relativamente próximo.
            Graças ao estudo de nossos nobres físicos da UFRGS pude tirar a limpo o que foi observado e ainda garantir que o que observei é de fato um verdadeiro aglomerado. Com uma Magnitude de 6,7 e entre as duas estrelas mais brilhante de Centauros é um interessante alvo para equipamentos de qualquer tamanho e um alvo diferente para fugir do lugar comum e de catálogos mais famosos.
            É um delicado pingente da Coroa Austral e demanda atenção para ser percebido. Mais devido a sua discrição que propriamente devido ao brilho de suas principais estrelas. HD 125880 brilha com magnitude 7.68.
            Observei-o com diversas oculares. Ele resiste bem a magnificação . O melhor resultado obtido foi com a 10 mm e minha Barlow Omni 2X. Resolvem-se dezenas de estrelas . Como é um aglomerado relativamente próximo acredito que a maior parte pertença de fato ao aglomerado ( mas nem tudo é o que parece ser...) . Possui uma pequena concentração central mas a maior parte de seus membros habita o halo . Sua classificação Trumpler é II 3 m . O que significa que trata-se de um aglomerado aberto destacado e com uma pequena concentração central( II) , composto de estrelas brilhante e tenues (3) e  possuindo entre 50 e 100 membros ( m). Com 12´de diametro é relativamente obvio em uma ocular de 25 mm.

            Uma novidade. Em posição favorável para observação e fácil de ser localizado não deve deixar de ser visitado. Um segredo austral. 

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Astro fotografia: Saqueando as Jóias da Coroa e Lynga 2

           


  Ainda em período sabático tenho tentado aproveitar a sobriedade forçada para fazer o que mais gosto. Astro fotografia.
                Mesmo  em condições muito abaixo do ideal minha "Stonehenge" permite que eu  percorra   a Via- Láctea e visite velhos amigos.
                O plano inicial era localizar Ngc 4833. Um globular que pertence ao catalogo Lacaille e que já observei com meu 15X70 em locais de céu escuro. Bem perto de  d Musca eu acredito que com o " Newton" ( um refletor de 150 mm F8) ele será um alvo fácil. Erro crasso. Com um brilho de superfície baixo , os refletores da obra do metro apontados para o céu em vez de para o chão e uma lua já bem crescente o amigo não comparece. Vai ficar para próxima. E eu continuo tentando fotografar todo o catalogo Lacaille da janela de casa...
                Aglomerados abertos são o esteio do astrônomo urbano. E eu particularmente adoro pesquisar sobre os mesmos e palpitar sobre suas idades a partir do que vejo no telescópio. Eles são um excelente campo escola para o estudo de evolução estelar.
                E assim resolvo revisitar vários velhos amigos que estão sempre a dispostos para um reencontro.
                Com o Falso Cruzeiro em posição favorável ( horizonte sudoeste) aporto em IC 2391. Logo  a lado de d Vela . Penso em tirar algumas fotos deste velho conhecido . Acho que foi o primeiro DSO que fotografei com foco direto. Mas no ultimo instante abandono a idéia de registrar a "Pequena Cassiopéia" e resolvo aproveitar que ainda dá tempo de fazer umas imagens de Ngc 2516. Este maior e também localizado  no Falso Cruzeiro.  
                Como já disse por aqui e parafraseando Moira  em seu discurso " Se ninguém te louva louva-te  ti mesmo". E não poderia deixar de falar quão feliz me encontro por ter desenvolvido um sistema de alinhamento polar que tem diversas qualidades. A primeira e mais importante  delas é que funciona.   A segunda é que é rápido. A terceira é que eu nunca mais vou fazer um drift na vida. E isto é só o começo.  E desta forma mesmo após terem retirado o tripé do lugar eu estou pronto para realizar as fotos que tanto me distraem em poucos minutos.
Ngc 2516 4 min e 40 seg. de exosição total. Stacked e processado no DSS.

O Mesmo processamento com uma rapida visita ao foto Shop CS 5 Onde foi incluida uma camada ajustando os Niveis da Imagem. 
         



Sempre tive a impressão de que o DSS lavava as cores das fotos . Mas através da aba Saturação ( que uso atualmente entre 14 e 20%) consigo recuperar de fora bastante realista a coloração das estrelas. 
                 Diversas exposições de NGC 2516. Inicio com 30 segundos e embora o alinhamento permita esta exposição a poluição luminosa indica que seja menos abusado.  Faço pouco mais de uma dezena de fotos com 20 segundos. Apesar da tela de proteção para destruir os belos spikes do meu Newtoniano as fotos ficam "uma beleza". Astro fotografia de saque.
                A noite ainda é uma criança e parto para novos saques ao longo do braço galáctico. A próxima visita é a uma das maiores jóias da Coroa Austral.  As Pleiâdes do Sul.  O aglomerado é imenso e dificilmente conseguirei engloba lo com meu telescópio. Mas Novamente faço algumas dezenas de fotos e fico feliz com os resultados.  Seria uma das coroas da familia real...
Pleiâdes do Sul  3 min e 30 seg de exposição + 5 darks. DSS 

Mesma foto com um layer de Niveis no Photo shop. 

1 exposição de 30 seg. outro enqudramento. Pretendo realizar um mosaico para cobrir toda a área deste imenso DSO.

                O pirata esta em modo sanguinário e quer mais butins. A próxima vitima é  NGC 3293. Outra peça importante das jóias austrais. Logo acima da Grande nebulosa de Eta Carina esta as  vezes passa desapercebida. Uma tremenda injustiça. Muito concentrado e de bonito colorido é um aberto digno de nota. Obrigatório.  Tivesse eu tido mais cuidado talvez conseguisse registrar na mesma foto NGC 3324 e apresentar o concorrente Austral ao famoso Duplo Aglomerado de Perseu. Algumas das estrelas de3224 se apresentam no canto esquerdo da foto.
4minutos de Exposição + 5 darks DSS
Ngc 3293 DSS + Photo shop Levels.
            


              Mas eu quero mais. Um bem fácil e provavelmente uma das mais famosas  garotas de propagandas do céu austral. NGC 4755. A Caixinha de Jóias de John Herschel.  Apesar de ser uma descoberta de Lacaille e ter visitado anteriormente o catalogo de Dunlop foi Herschel que deu seu famoso apelido.  Novamente uma dezena de fotos e fico satisfeito com o saque. A maior parte de suas estrelas comparecem ao live view e o foco é facil. Mas ela sofre bastante com  a tela de proteção.
4 min de exposiçãoDSS+5 Dark Frames e Layer de Niveis no Photosop CS5




        
4 min de exposição DSS
   Agora um eterno favorito. de volta a vizinhança de Eta Carina  mas em uma das patas do Centauro um colar de pérolas. Ngc 3766 "O Aglomerado da Pérola".  Não vou falar muito dele pois este merece mais atenção no Nuncius Australis . Uma Injustiça que pretendo corrigir.  Alguma dezenas de fotos e sigo viagem
.

Uso frequentemente o PS para criar um Layer com a ferramenta Niveis que permite um ajuste de brlho  e contraste mais eficiente

                Agora resolvo viajar por terra incógnita. Nem tão incógnita assim. A região entre a e b Centauro. Eu tenho contas para acertar por ali.   Ngc 5617. Situado bem próximo a a Centauro é um aglomerado aberto que me ilude a anos. Provavelmente já o  observei. Deve ser daqueles aglomerados que não se sobressaem das estrelas de campo em uma zona rica da Via-Láctea Não se destacam do fundo. conheço alguns assim .  Já cheguei a pensar que tratava-se de uma das falsas entradas do NGC. Dessa vez hei de acha-lo.
                Com a  ocular 25 mm calçada e com meus novos óculos calculo bem a direção e a distancia. E voilá . Chego a um evidente aglomerado aberto. O habito nos faz perceber um em meio a estrelas de campo. Pequeno . Com poucos membros. Tímido. Um pequeno pingente entre as jóias da noite. Mas novidade é sempre novidade e fico a namorando por mais tempo. Troco oculares e tudo. E finalmente resolvo fazer umas fotos  Mais alguma dezenas de fotos..Seria o ultimo saque da noite e pretendia voltar para meu refugio de penas de ganso...
                No dia seguinte aquela surpresa. Não é Ngc 5617. Será que se trata de um asterismo? Fui enganado? Um pirata velho e enganado pode tomar atitudes temerárias e em um ultimo golpe recorro a um novo site recém descoberto e que é uma tremenda mão na roda para estas duvidas que nos infernizam. Chama-se Astrometry ( http://nova.astrometry.net  ). E após um upload de uma das fotos ele retorna com a informação que tanto precisava. E com HD 125880 identificada parto para o Cartes Du Ciel. Certas coisas estão além do alcance do Stellarium. Descubro que cheguei ao porto errado. Mas ainda assim um porto. Lynga 2. Me sinto um Bucaneiro roubando peixes dos colonos...
                Lynga 2 é a segunda entrada do Catálogo Lynga. Um grandioso projeto que buscou catalogar todos os aglomerados galáticos da galaxia. ( Redundante mas necessário) .
                Este hercúleo trabalho foi realizado por Gosta Lynga no Observatório de Lund.
                Diversas de suas entradas são bastante obscuras e tratam de aglomerados realmente pouco visitados.
                Lynga 2 é um pequeno pingente . Bem delicado e de interessante colorido . Envolto em uma área ainda mais colorida da Via Láctea. Uma grata surpresa que pretendo pesquisar mais. Até o momento não localizei nenhum paper a respeito do mesmo. E como palpitar sobre  a evolução de aglomerados abertos é um dos mais caros prazeres no Nuncius Australis eu diria que deve tratar-se de um aglomerado relativamente antigo devido a presença de estrelas avermelhadas indicando que estou a abandonar a sequência principal e também bem pouco coeso . Isto demonstra que o "grude " gravitacional já não é mais o mesmo das origens e ele caminha para a dispersão. A Bateria já voltou do recuo.
Versão níveis Photo Shop CS 5...
                Mas é só palpite. A Pesquisa continua.
Lynga 2 é o pequeno aglomerado a direitado centro. 4 minutos de Exposição DSS.



                Até sobre o Catalogo em si tenho poucas informações. No  momento sei que o Catalogo pretende organizar informações sobre todos os aglomerados galácticos conhecidos. Até onde possível todas as informações e valores disponibilizados foram previamente publicados e o Catalogo respeita uma rígido padrão para suas entradas. Estas informações são fruto da integração dos dados colhidos por K.Janes , C. Duke e Lynga. Sua ultima atualização ( pelo meno que eu localizei) é de 1987.
                A Noite rendeu. E entre velhos amigos e novos conhecidos voltei par cama com os porões abarrotados de jóias de Coroa Austral. El Rey deve estar louco...

                      Antes de fechar para balanço ainda realizo 5 Dark frames de 15 segundo , 5 de 20 e 5 de 30 segundos que salvo em uma pasta separada . OS Bias ficaram para a próxima.
                       De volta ao esconderijo começo os trabalhos de pós processamento me delicio com o resultado da nevegação e da Brincadeira com a " Arte Dificil".


                Astro fotografia é a melhor diversão.  

terça-feira, 6 de maio de 2014

IC 2488: O Último Lacaille e a Saia Rodada

           

            
            A lua nova rendeu pela "Stonehenge dos Pobres" .
            O único objeto Lacaille que eu nunca tinha observado o foi.  
            IC 2488.
            Este possui dois apelidos bastante poéticos .  O Aglomerado do Colar de Pérolas e  O Aglomerado da Saia Rodada.  Ambos estão mais para liberdade poética que propriamente uma descrição. A saia rodada é uma sugestão muito distante. Talvez um modelito renascentista com "verdugado". E as pérolas são multi coloridas... Realmente desconfio que o O´Meara  inventa  nomes no seu livro  "Hidden Treasures".
            O fato de ser o ultimo DSO do Catalogo Lacaille a ser observado não é apenas uma coincidência. A astronomia é cheia delas. O Aglomerado deveria ser bastante fácil de ser localizado e sempre tentei chegar a ele passeando com a buscadora  de um lado para o outro. Não por ele mesmo já que se apresenta discreto diante da furiosa poluição luminosa do Rio de Janeiro e eu já havia procurado por ele nos céus mais escuros de Búzios e não o tinha achado. Habitando a 6a magnitude e com 15´de diâmetro segundo o Stellarium sempre achei que ele deveria ser  facilmente percebido pela buscadora. E ainda por cima Lacaille o identificou com uma luneta de 8x25 mm . Sua descrição " Uma estrela tênue cercada por nebulosidade" me iludiu. Com minha buscadora 10x50 mm achei que iria "resolver" o aglomerado. Ledo engano. Nunca consegui percebe-lo pela buscadora. Os céus da Cidade do Cabo no século XVIII deveriam ser bem escuros. E o Abbe Lacaille possuía olhos de lince.
            O aglomerado foi classificado por Lacaille como III . 4. O Abbe descreve desta forma o sistema de classificação de nebulosas que ele utiliza em seu " Sobre as Estrelas Nebulosas do Céu Austral" publicado no Memoirs da Real Academia Francesa de Ciências em 1755 :  " Eu primeiro observei que três tipos de nebulae podem ser percebidas nos céus; o primeiro não é mais que uma área esbranquiçada e mal definida, mais ou menos luminosa e de formato bastante irregular: estas regiões são muito semelhantes ao tênue núcleo de um cometa sem cauda. A segunda classe compreende estrelas que só são nebulosas para a vista desarmada e que quando vistas com um telescópio se revelam um aglomerado de estrelas distintas ainda que muito próximas umas das outras. A terceira classe  de nebulae inclui as estrelas que atualmente são acompanhadas ou cercadas por áreas esbranquiçadas ou nebulae da primeira classe descrita"  
            Do "Observatório Mais Urbano do Mundo" decidi fazer um "aproach" menos probabilistico e chegar até la utilizando o infalível método do "StarHooping". Na verdade muito pouco "hooping" já que o aglomerado encontra-se a apenas 30´de N Velorum. E esta é visível a olho nu mesmo no meio do canteiro de obras do metro carioca. Com auxilio de óculos. Magnitude 3.16.  Ela forma um  triangulo com Kappa Velorum e Aspisdiske no Falso Cruzeiro.

            N Velorum é uma bela gigante vermelha (K5) . É uma tangerina cósmica inconfundível e uma variável. . Bela estrela. Com ela centralizada é só caminhar um pouco a oeste e IC 2488 vai aparecer em uma ocular wide field ( 25 mm).
             A descrição de Dunlop ( um outro sócio aqui do Nuncius Australis) é bastante exata:
" Um fraco aglomerado de [fracas] estrelas de magnitudes diversas, com duas ou três estrela bem brilhantes "
            Em seu   " Catalogo de Nebulosas e Aglomerados de Estrelas no Hemisfério Sul" de 1827 ela ainda repara que o aglomerado é , provavelmente, 485 Argus que foi descrito por Bode como " tênue e cercado por nebula".
            Com o "Newton" ( um refletor de 150 mm) sua concentração central se destaca como duas fieiras de sóis mais brilhantes cercadas por algumas dezenas de estrelas mais fracas. A maior parte das  estrelas são bem fracas. 11a magnitude.
            O aglomerado é bastante estudado e apresenta algumas gigantes vermelhas . Através de estudos fotométricos supõe-se uma idade entre 90 milhões e 180 milhões de anos. Ele parece ter envelhecido em estudos mais recentes. Perdrera em 1987 calculava que o mesmo em uma fase evolutiva entre as Plêiades e Ngc2516. (  http://adsabs.harvard.edu/abs/1987AJ.....94...92P   )
            Uma nebulosa planetária se esconde em meio a IC 2488. RCW 44 localiza-se a 51´ a nordeste do centro do aglomerado. Mas com diminutos 2´´ esta ao alcance somente para os possuidores de grandes telescópios. É um alinhamento casual.
            IC 2488 é um delicado aglomerado e bastante interessante. Requer uma observação bastante atenta para perceber todo seu colorido.

41 expX10 seg Asa 3200+ 5 Dark Frames Canon T3 Newtoniano 150 mm F8

           
         
1 exposição 15 seg. ASA 6400


            Realizei diversas experiências fotográficas com ele. Mas isto é assunto para outro dia.
            Astro fotografia é a melhor diversão.




segunda-feira, 5 de maio de 2014

Ngc 5662: O Aglomerado da Mariposa Cigana

               

                 A lua nova sempre me inspira a tentar a sorte contra a poluição luminosa carioca. Como obtive algum sucesso com C 84 esta semana e acabei por conseguir um alinhamento polar com alguma qualidade estou eu de volta a "Stonehenge dos Pobres".   O outono traz de volta a janela meu tão querido Centauro. E com ele um dos objetos descobertos por Lacaille em seu levantamento dos céus austrais realizado no século XVIII. 
                Ngc 5662 é a Lac. III.8 . Isto significa que Lacaille o colocou na categoria de estrela e /ou estrelas acompanhadas de nebulosidade. É difícil imaginar quias seriam as duas estrelas que ele resolveu. Mas levando em conta suas modestas lunetas é um achado bastante interessante. V Cen se encontra na região é é provavelmente um membro do aglomerado e é séria candidata a uma das estrelas em questão.  Mas ela é extremamente destacada d aglomeração central para se parecer envolta em nebulosidade mesmo para os modestos equipamentos do Abbe. Assim eu imagino que ele se referiu a  HD 127753 e HD 127866.
                John Herschel (o filho) a descreveu assim : "Grande, bem brilhante,um aglomerado esparso da classe VII que mais que preenche o campo 50 estrelas mais ou menos de 9a  a 12a magnitude; estrela principal 7a magnitude um pouco isolada. utilizada para localizar o aglomerado."
                Já no catalogo NGC: "Aglomerado , grande, bem rico,  pouco comprimido, estrelas de 9a magnitude e  mais fracas."
                Devido a uma daquelas coincidências que nada tem a ver com as leis mais fundamentais do Universo James Dunlop registrou o aglomerado exatamente 145 anos antes do meu nascimento e 177 anos antes do nascimento de minha filha . Naquela noite de 10 de julho de 1826 ele parece ter sido o primeiro a perceber a natureza alongada e dividida do aglomerado.
                    Seus 280 membros possuem uma distribuição bastante peculiar. O "núcleo" do aglomerado é esparsamente povoado embora perceba-se uma concentração obvia junto ao centro e uma outra  mais esparsa bem ao sul. Parece que o aglomerado sofreu um puxão simultâneo ao norte e ao sul e tenha sido" estripado" formando uma espécie de aglomerado duplo.
                Estudos mais recentes (Sagar 1997) demonstram que o aglomerado possui duas gigantes vermelhas. Uma delas com 7a magnitude é certamente a estrela que Herschel usou para situar o aglomerado (HD 127753). Seu tipo espectral é K5. Sagar ainda confirma que V Cen ( esta  uma variável cepheida com período um pouco superior a 5 dias)  é um membro nas bordas do  aglomerado . É fácil acompanhar seu ciclo e vale a pena conferir esta estrela variável. Ngc 5662 tem uma massa de 256 sóis e  sua extensão é de 17.5 anos luz com uma densidade de 0.5 estrelas por parsec cúbico. Sua idade é em torno de 80 milhões de anos fazendo dele um aglomerado relativamente jovem e contemporaneo da Plêiades. Sua metalicidade é semelhante ao sol.



                Apesar de sua magnitude de 5,5 localizar Ngc 5662 em locais de muita poluição luminosa não é tão fácil como seria de se supor. Eu parti de Alfa centauro e com o auxilio do Stellarium calculei a distancia até V Cen. 4,5o . Aproximadamente um campo de buscadora rumo norte. Depois de algumas tentativas cheguei a estrela ( que pelas minhas contas se encontrava quase em seu máximo). Com a ocular 25 mm e uma rápida escaneada acabo percebendo o aglomerado que possui estrelas fracas. Ele se resolve e não percebo nenhuma nebulosidade. cobre uma bela parte do campo de visão.  Cobrindo uma área semelhante a da lua cheia ele é melhor observado com pequenas magnificações. Nem tentei a 10 mm.
                Agora uma história interessante. Steve O´Meara batizou o aglomerado como " Gypsy Moth Cluster" não só devido a sua fantasia como em uma homenagem a  Etienne Leopold Trouvelot , um grande astrônomo, que trabalhando com o grande refrator do Observatório Universidade de Harvard realizou alguns dos mais belos desenhos de DSO´s conhecidos.

                Mas não é lembrado por isto. Ele importou as "Gypsys Moths" ( uma espécie de mariposa.  L. Dyspar) para implementar a industria da seda nos E.U.A. . Não deu certo e as pequenas criaturas tornaram-se uma praga na nação. Há registros de chuvas de lagartas pela região. A primeira infestação foi registrada em 1899 e o programa para sua erradicação começou em 1890. Continua ativo...
5 exposições de 30 segundos ASA 6400 . Newtoniano 150 mm F8

                Realizei alguma poucas exposições de Ngc 5662 quando esta estava praticamente cruzando o meridiano. E assim acabei com o Telescópio travado contra o tripé logo após poucas exposições.. Mas o registro ficou bem fiel e apresenta claramente a estrutura dividida e o formato que lha dá seu apelido. 

domingo, 4 de maio de 2014

Alinhamento Polar para Preguiçosos

         
           Alinhamento polar é uma das partes mais difíceis da Observação. O Método do Drift é extremamente eficiente porém chatíssimo. E não é possível se você não dispõe de um horizonte livre tanto para norte como para sul.  Realizar um alinhamento pelo drift pode demorar ( e demora) varias horas. 
                Não é para mim.
                Por outro lado adoro o prazer da caça. É a parte que mais gosto do jogo. E assim uma cabeça com go-to é algo impensável. Vou deixar isto para minha aposentadoria.
                Então como juntar a minha pouca paciência com a necessidade de um alinhamento polar ao menos digno para  a pratica da astrofotografia?
               " Descobri " recentemente o inovador método do Alinhamento Polar para Preguiçosos. É um sistema  que atende a minhas macunaímescas necessidades na "Stonehenge dos Pobres". E que tenho adotado em qualquer lugar.   Penso inclusive fazer uma camiseta com " Drift Nunca Mais" estampado no meio dos peitos.
                O processo é bastante simples e garante um alinhamento que em um primeiro momento garante exposições de até 30 segundos com um minimo ou até mesmo nenhum Drift. No Observatório mais Urbano do Mundo o brilho do céu dificilmente permite exposições superiores a 15 segundos. ( Bortle 7-8) .
                Para realizar o processo eu recomendo escolher uma estrela brilhante que se encontre em uma posição confortável para observação no horizonte sul. Eu já utilizei Alfa Crux e Alfa Centauro. Ela deve ser facilmente percebida a olho nu. Canopus é também uma boa opção se você morar bem ao sul. Aqui ela passa um pouco alta demais . Miaplacidus é outra boa opção.
                Depois de escolhida (Acrux) nossa estrela guia você se dirige até seu computador e inicia o Stellarium , o Cartes du Ciel ou qualquer outro programa planetário que possuir.  
                Com Acrux selecionada você abre a aba de controle de  hora e data. E descobre facilmente a hora exata que ela vai cruzar o Meridiano.

             Depois avance ou recue o tempo ( grandes poderes...)  até você  ler 180o 00´00´´ cravado no marcador de Azimute e Altura do Cabeçalho a esquerda e em cima do Stellarium. Veja o horário exato que isto acontece.  No nosso exemplo 21:29 min.( Foto Abaixo)
Veja o horário que a estrela cruza o meridiano.




            Com a cabeça já grosseiramente apontando para o sul ( uso a bussola do I phone para isto)  regule  ela para a altura indicada no mesmo cabeçalho. No nosso exemplo 49o44´.
                Agora aguarde Acrux chegar até o horário que esta vai cruzar o meridiano e seja rápido. Naquele exato instante você devera regular sua cabeça de forma a ver Acrux centralizado com o eixo polar de sua montagem. Ao olhar pelo furo onde deveria habitar uma buscadora polar que não possuo. Como na foto ao abaixo...


            Agora é só baixar a cabeça equatorial  de 49o44´ para sua latitude. No meu caso 23o .

            Depois eu coloco o meu 15x70 mm sobre a montagem e dou uma pequena refinada no alinhamento com o auxilio de s Octans e BQ Oct.


            Depois é fazer uma foto e checar o tempo de exposição sem drift das estrelas.

Ngc 5662 .4 X 30 seg. asa 6400

            Tenho conseguido 20 segundos de exposição  regularmente. E 1 minuto em dia bom... Creio que o erro periódico de minha EQ2-3 velha de guerra não permitiria mais que isto sem acompanhamento nem com auxílio de magica....