terça-feira, 13 de maio de 2014

Lynga 2 : O Aglomerado "Mea Culpa" e um Segredo Austral

            


        "Confiteor Deo omnipotenti, beatae Mariae semper Virgini, beato Michaeli Archangelo, beato Joanni Baptistae, sanctis Apostolis Petro et Paulo, omnibus Sanctis, et tibi pater: quia peccavi nimis cogitatione verbo, et opere: mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa. "
          


Lynga 2  10X20 seg +5 dark frames DSS. "Croped" de uma imagem maior

             Feita esta Mea Culpa pretendo esclarecer a questão.
            Em meu ultimo Post cheguei a brilhante conclusão de Lynga 2 seria um aglomerado aberto ancião e já a caminho da dissolução e abarrotados de estrelas que já estariam abandonando a sequência principal.  E mais ainda. Que não havia nenhum paper a respeito para eu consultar .  Tudo errado.
              Mas vou começar pelo começo.
            Localizei o aglomerado meio que ao acaso. Na verdade ele foi um daqueles DSO´s que eu acho que tive o prazer de descobrir. Só para depois ver que nem tudo é o que parece ser.  O Cartes du Ciel geralmente corta o meu barato.
            Enquanto procurava por NGC 5617 por entre a e b Centauro eu me deparo por um agrupamento delicado de estrelas em um campo relativamente rico de estrelas. O Radar de DSO´s começa a apitar. Apesar de delicado e de ter estrelas tenues envolvidas o habito me leva  acreditar que achei algo. Na verdade o "ajuntamento" de pequenas estrelas me remete a Ngc 5281: " O Aglomerado de Cheshire " . Um vizinho próximo.
            Faço uma foto e parto em pesquisa. Astronomia em sua forma mais pura. Observação seguida de pesquisa.
Foto original. As três pequenas estrelas a esquerda do aglomerado não fazem parte do mesmo. Mas o colorido de HD125975 me enganou duas vezes . Primeiro achei que seria uma Gigante vermelha. E segundo que fazia parte do Conjunto. Ela é uma estrela da sequência principal e uma anã laranja ( K& III) . E não faz parte do aglomerado. O Campo da região é bem rico e colorido...



            Em rápida visita ao Google elimino a possibilidade de ter chegado até  Ngc 5617.  Parto então para o Cartes du Ciel . Procurar por aglomerados abertos obscuros não é tarefa para o Stellarium. Este utilizo para a navegação junto ao telescópio. Rapidamente descubro que na area existem mais três pequenos abertos a disposição. Mas com um golpe de olho e um pouco de bom senso imagino que a vitima seja Lynga 2. Rapidamente descubro uma de suas estrelas membro (HD 125880) e depois faço uma visita ao site do Astrometry. Quando ele emite sua resposta minha duvida cósmica esta respondida.  Eu não entrei para a posteridade. Assim como outros antes de mim achei um DSO já descoberto " de forma independente".  




          
Não resta duvida...
       Continuando minhas pesquisas descubro que o obscuro Catalogo Lynga nem é tão obscuro assim. Não é um dos catálogos mais clássicos mas é bem manjado.   Trata-se de um catalogo reunindo informação sobre aglomerados abertos como compilados por Gosta Lynga do  Observatório Lund. O Objetivo do catalogo é reunir  consideravel informação (salient data) para todos os aglomerados abertos de nossa galaxia. Na medida do possível somente valores pré publicados foram utilizados em seus mais de 80 parâmetros
            O banco de dados utilizado é , parcialmente, fruto da integração do trabalho de K.Janes . C. Duke e G. Lynga. e assim chamado de banco JDL.
            Creio que o objetivo de atingir todos os aglomerados abertos da galaxia ficou para o abraço. O trabalho inicial de Lynga data de 1964 e atinge apenas de Centauro até Norma. ( G. Lynga, 1964. Studies of the Milky Way from Centaurus to Norma. II. Open Clusters. Medd. Lunds Ser. II No. 140. 14 clusters (Lynga 1-14)). Mas encontrei atualizações datadas de 1987...
            De qualquer forma Lynga 2 existe e ao contrário de meu infeliz palpite possui alguns estudos mais sistemáticos que os "achismos" do Nuncius Australis.
            Curiosamente encontro um belo paper que inclui um detalhado levantamento sobre Lynga 2 e alguns outros aglomerados menos famosos. E realizado no Brasil.
            Um trabalho (Faint open clusters with 2MASS: BH63, Lyngå2, Lyngå12 and King20)  elaborado no deportamento de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. E de autoria de E. Bica, C. Bonatto, and R. Blumberg. O trabalho foi publicado no " Astronomy & Astrophysics" em 2006
            E nele encontro a verdade sobre o mesmo. O qual é curiosamente o mais estudado dos aglomerados citados no paper dos colegas...
            Quanto a sua idade ( que eu já tinha considerado provecta) ha dados um pouco conflitantes . E o resultado obtido pelo levantamento em questão é completamente oposta ao meu palpite. Meros 90.000.000 de anos. ( +-10 .000.000), Mas em estudos anteriores foram calculados valores distintos. O que mais me agradou ( eu sei que isto não é exatamente boa ciência . Mas aqui também não é uma democracia...) foi feito por Karchenko em 2005 e diz o seguinte:
Idade- 260.000.000 de anos ( bem perto de meu palpite sem um valor estabelecido...)
Distancia do Sol- 1000 Parsecs.
            Lynga 2 possue algo em torno de 100 membros e um considerável numero de estrelas de pequena massa. E estando a 0.9Kpc de nós é um aglomerado relativamente próximo.
            Graças ao estudo de nossos nobres físicos da UFRGS pude tirar a limpo o que foi observado e ainda garantir que o que observei é de fato um verdadeiro aglomerado. Com uma Magnitude de 6,7 e entre as duas estrelas mais brilhante de Centauros é um interessante alvo para equipamentos de qualquer tamanho e um alvo diferente para fugir do lugar comum e de catálogos mais famosos.
            É um delicado pingente da Coroa Austral e demanda atenção para ser percebido. Mais devido a sua discrição que propriamente devido ao brilho de suas principais estrelas. HD 125880 brilha com magnitude 7.68.
            Observei-o com diversas oculares. Ele resiste bem a magnificação . O melhor resultado obtido foi com a 10 mm e minha Barlow Omni 2X. Resolvem-se dezenas de estrelas . Como é um aglomerado relativamente próximo acredito que a maior parte pertença de fato ao aglomerado ( mas nem tudo é o que parece ser...) . Possui uma pequena concentração central mas a maior parte de seus membros habita o halo . Sua classificação Trumpler é II 3 m . O que significa que trata-se de um aglomerado aberto destacado e com uma pequena concentração central( II) , composto de estrelas brilhante e tenues (3) e  possuindo entre 50 e 100 membros ( m). Com 12´de diametro é relativamente obvio em uma ocular de 25 mm.

            Uma novidade. Em posição favorável para observação e fácil de ser localizado não deve deixar de ser visitado. Um segredo austral. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário