domingo, 22 de setembro de 2013

A Lua , Vênus , Piratas Liberianos e a Astronomia do Cotidiano

                

               Operando com bandeira Liberiana e engajado em um projeto cinematográfico que apresenta um mecenas peruano, um diretor de fotografia oscarizado de origem filipina, diretores americanos muito confusos  e contando a história de uma lenda futebolística brasileira tenho estado com pouquíssimas chances de me dedicar à meu tão caro hobby.
                 E assim aproveitando uma posição favorável da lua em minha janela no "Stonehenge do Pobres" fiz uma rápida sessão fotográfica e posteriormente ( com o auxilio do Virtual Moon Atlas) localizei as formações mais evidentes em Selene. Astronomia na sua mais pura forma.  Eainda uma forma de me solidarizar com meu querido Uncle Rod e seu projeto de fotografar as 300 formações mais significativas de nosso satélite. 
                Fotografar a Lua é sempre divertido e muito menos complexo que DSO´s. Utilizando rápidas exposições ela dispensa alinhamento polar e outra dores de cabeça. E permite que utilize minha Barlow para ajudar na montagem em foco direto. Desta forma meu telescópio simula uma Lente de 2400 mm e F16. 

                   Fiz também algumas fotos com a uma zoom 75-300 mm. A lua é um alvo ao alcance de quase qualquer equipamento e cada um apresenta características distintas de Selene.

                Ainda na seara da "Astronomia do Cotidiano" que é tão cara ao Nuncius Australis  aproveitei uma missão paterna ( buscar minha filha de uma excursão do colégio) para realizar algumas fotos a partir do " Parque dos Patins"  situado na Lagoa Rodrigo de Freitas.
Vênus com Saturno abaixo e à direita


                Sem maiores pretensões fiz diversas imagens de Vênus utilizando tanto minha 17-70 mm como a 75-300 mm. Enquanto a primeira permite algumas composições de caráter mais " artístico" a segunda surpreende e permita ( com auxilio de zoom digital...) perceber a fase que se encontra o planeta mais quente do sistema solar.  Com pouco mais de 60% de seu disco iluminado ele se apresenta de forma oblonga e inequívoca para a pequena tele objetiva.  Chego a perceber alguns padrões na cobertura de nuvens do acalorado planeta. Pode-se ainda perceber Saturno como uma apagada estrela abaixo de Vênus na imagem mais aberta...   
                    
                Outra incrível constatação é de como Vênus suporta níveis absurdos de poluição luminosa e chega a competir com postes  e suas luzes cheias de sódio... Percebo também que a série EF de lentes da Canon  ( a mais "tabajara" delas...) apresenta forte aberração cromática...
                     Antes do fim  faço uma visita ao Cristo com seus braços abertos sobre a Guanabara. E também ao espelho d´água da lagoa e seus reflexos.






                 Acho que a primavera será dedicada a tarefas mais mundanas que à astronomia.  Mas espero poder aproveitar os céus escuros de uma  Bauru cenográfica onde estarei filmando ao longo do próximo mês.   Afinal o céu também se apresenta para ospiratas liberianos