sábado, 3 de março de 2012

O Maior Buraco Negro, Abell e Ngc 3842






No dia 5 de dezembro de 2011 um time de astrônomos liderados por Nicholas McConnell da Universidade de Berkeley na Califórnia anunciou a descoberta dos dois maiores buracos negros já conhecidos. O maior deles habita o coração de NGC 3842. O monstro possui uma massa de mais de 10 bilhões de sóis. Aiiii!!!

Este habita o coração de uma galáxia elíptica no coração do aglomerado de galáxias conhecido por Abell 1367. Esta é uma semelhança com seu irmão apenas um pouco menor. Que também habita o coração de uma elíptica que também esta no centro de um aglomerado galáctico (Ngc 4889).

3842 é a eliptica mais brilhante
Ngc 3842 foi observada pela primeira vez por Herschel (pai) em 1785 assim como diversas companheiras do aglomerado.

George Ogden Abell (Março 1, 1927 – Outubro 7, 1983) foi um astrônomo na UCLA. Trabalhou como astrônomo pesquisador, professor, administrador< Foi também um grande divulgador das ciências e cético famoso. Ele iniciou sua carreira astronômica como um guia de visitas do Observatório Griffith em Los Angeles.

Seu trabalho mais conhecido faz parte de sua tese de doutorado e levou a elaboração do Catalogo Abell de Aglomerados Galácticos.

Um pouco de ctrl c + ctrl v se faz inevitável:

Para figurar no catálogo, um aglomerado deve satisfazer quatro critérios:

• Riqueza: um aglomerado deve ter pelo menos 50 membros em uma faixa de magnitude entre m3 e m3+2 (onde m3 é a magnitude do terceiro membro mais brilhante do aglomerado). Abell dividiu os aglomerados de acordo com seis grupos de riqueza, dependendo do número de galaxias do aglomerado que têm magnitude entre m3 e m3+2:

o Grupo 0: 30-49 galáxias

o Grupo 1: 50-79 galáxias

o Grupo 2: 80-129 galáxias

o Grupo 3: 130-199 galáxias

o Grupo 4: 200-299 galáxias

o Grupo 5: mais que 299 galáxias

• Compacidade: um aglomerado deve ser suficientemente compacto tal que cinqüenta ou mais de seus membros estejam dentro de um "raio de contagem" a partir do centro do aglomerado. Este raio, atualmente chamado "raio de Abell" é definido como 1.72/z minutos de arco, onde z é o desvio para o vermelho do aglomerado, ou como 1.5h−1 Mpc, onde se adota que a constante de Hubble valha H0 = 100 km s−1 Mpc−1, e h é um parâmetro adimensional que usualmente toma valores entre 0.5 e 1. O valor precisodo raio de Abell depende do valor adotado para o parâmetro h. Para h = 0.75 (o mesmo que considerar H0 = 75 km s−1 Mpc−1), o raio de Abell vale 2 Mpc.

• Distância: um aglomerado deve ter desvio para o vermelho nominal entre 0.02 e 0.2 (i.e. velocidade de recessão entre 6000 e 60000 km s−1).

• Latitude galáctica: Áreas do céu na vizinhança da Via Láctea foram excluídas do estudo porque a densidade estelar nesses campos — sem mencionar a extinção interestelar — dificulta a identificação de aglomerados ricos de galáxias.

Depois de este rápido tour pela Wikipédia vamos ao que importa. Como observar Ngc 3842. Não é uma tarefa das mais simples, mas é possível para um astrônomo amador com um telescópio de 150 mm. Na verdade ela vai testar todo potencial deste.

A nossa presa é a galáxia mais brilhante de Abell 1367 e com magnitude de 12.5 se encontra no limite superior de um telescópio de 150 mm e mesmo um de 200 vai ter tempo ruim pela frente. Desta forma tente este feito de um local com o céu bem escuro e use todas as técnicas que você conhecer para que esta mostre sua cara na ocular... (visão periférica, balançar o telescópio, ficar com os olhos fechados durante dois dias e etc...)

O que você vai ver será bastante modesto, mas o imenso interesse cosmológico que ela carrega vai valer o esforço. No meio daquela tênue luminosidade se esconde o maior buraco negro conhecido.

A navegação até ela começa pelos quartos traseiros do  Leão e partindo de Denebola ( Beta Leo) localize 93 Leo. Brilhando a 4. 5 de magnitude e com você no breu que a missão demanda vai ser bem fácil.


Depois calce a sua ocular com o maior campo e  a menos de 1 grau da estrela Ngc 3842 será (em tese) a única galáxia que você perceberá no aglomerado. Todas as outras se encontram acima de 14ª mag.


O uso de um telescópio com maior poder de fogo será de grande valia.

Segundo Gottlieb, observando com um telescópio de 300 mm, ela se apresentará moderadamente brilhante, moderadamente grande, com um núcleo mais brilhante e com diversas companheiras... (Ainda vou ter um dobsoniano grandão só para falar coisas assim...)

Mas não desanime. Existem controvérsias e encontrei referencias que diziam que a dama brilhava com magnitude de 11.8. E tem o Stellarium. Este lista ela como 13ª mag.

Ai, se eu te pego...

Quanto a ver o Buraco Negro esqueça. Como sabemos nem a luz escapa da besta e no mundo da astronomia amadora só a luz visível ( perdão) é visível. Já apresentei este pequeno problema em outro post...

P.S. A quem interessar possa o Saguaro Astronomy Club oferece este site com referencias para amadores que queiram caçar aglomerado galacticos do nosso camarada Abell... Ele lista os que estão ao alcance de nós ... ou quase.

Nenhum comentário:

Postar um comentário