segunda-feira, 19 de março de 2012

O Equinócio e a Volta da Lagoa




O Equinócio será esta madrugada (05h14min UTC) e isto marca o fim do nosso verão. E também do período que as caminhadas pela Lagoa Rodrigo de Freitas durante o fim de tarde são pratica constante. Mas agora outra Lagoa volta a se apresentar. E as noites serão cada vez mais longas...
Orion vai nos deixar.  Em breve o céu será dominado pela Via Láctea e o Escorpião que corre eternamente atrás do caçador.
Para os astrônomos boêmios a chegada do outono garante uma incrível quantidade de alvos. O coração da galáxia e toda riqueza do centro galáctico começa a desfilar pela madrugada sobre nossas cabeças austrais.  Sem falar nas galaxias de Virgem e Cia Ltda. para os que preferem horários mais amigáveis. Mas isto fica para outro dia.
            Logo atrás do Escorpião vem Sagitário. Um dos meus asterismos favoritos é a chaleira. Se você possui um horizonte leste desimpedido o chá começa a ser servido por volta de 00h30min durante este mês (março). Cada dia um pouco mais cedo. E a fumaça da Via Láctea se torna mais densa a partir do bico da chaleira, que é marcado pela estrela Gama do Sagitário (Alnasl ou Nash). Em meio a essa bruma e seguindo-se a trilha leitosa que parte daí e se espalha ao norte da estrela Lambda do Sagitário (Kaus Borealis) você vai perceber um pequeno brilho. Como um candeeiro visto a longe em uma noite nublada. Trata-se de M8. A Nebulosa da Lagoa.
            M8 é uma joia pendurada Via Láctea, visível a olho nu de céus moderadamente escuros, que deve ter sido percebida desde a antiguidade. Curiosamente não existe nenhuma referencia a ela na antiguidade clássica e seu primeiro registro conhecido remonta ao ano de 1654 no obscuro catalogo escrito pelo astrônomo italiano Giovanni Batista Hodierna: De admirandis coeli caracteribus.
Hodierna
            É neste momento que a história da nebulosa da lagoa começa e já começa “equivocada”.
Hodierna dividia seu catalogo em três categorias:
Luminosae: estrelas visíveis a olho nu
Nebulosae: estrelas nebulosas a olho nu, mas que se resolvem com telescópios.
Ocultae: estrelas que não se resolvem nem mesmo com o uso de telescópios.
            Hodierna inclui a Lagoa na categoria de objetos que parecem nebulosos a vista desarmada, mas que se resolvem em estrelas com o uso de um Telescópio. O telescópio de que dispunha o pioneiro astrônomo era um refrator muito simples com aumento de 20x.
            A confusão tornou-se ainda maior com Flamsteed que redescobrindo o objeto quase 30 anos depois o descreveu simplesmente como “nebulosa”. E em sua Atlas Coelestis, de 1729, ele não indica nenhuma nebulosa na região embora indique a presença de estrelas (7 e 9 do sagitário).
            Estas fazem parte Ngc 6530, o aglomerado aberto que é envolvido por M8.
            O título da Lagoa continua em disputa com as observações de Cheseaux que durante seu levantamento das nebulosas indicadas por Flamsteed considerou a Lagoa da mesma forma que Hodierna.
            E até mesmo Messier fica na duvida: “Um aglomerado de estrelas que parece uma nebulosa que quando observado com um simples refrator de 90 cm se vê somente um grande numero de fracas estrelas. Perto deste aglomerado há uma estrela que é razoavelmente brilhante (9 do Sagitário), circundada por um brilho bastante fraco”.
            A confusão seria até normal não fosse que tanto a nebulosa como o aglomerado podem ser percebidos a olho nu. E que a nebulosa se sobressai claramente no conjunto.
            A maior possibilidade é que os primeiros observadores foram vitimas de preconceitos e da tecnologia de sua época.
            Depois que Galileu resolveu a Via Láctea em estrelas através de seu telescópio diversos dos observadores dos séculos XVII e XVIII, adotaram a crença de que nebulosas seriam sempre aglomerados de estrelas que os telescópios haveriam de resolver se possuíssem suficiente abertura. Foram vitimas da empolgação com o novo equipamento.
            Acrescente ainda as visões imperfeitas destes telescópios primordiais, com óticas grosseiras e campos de visão bem estreitos e você tem uma formula perfeita para fazer nebulosa desaparecerem enquanto “brota” um aglomerado.
            Mesmo com meu telescópio percebo claramente que quanto maior a ampliação que busco (e consequentemente menor campo) mais obvio se torna NGC 6530 e menos eu percebo a Lagoa propriamente dita. E se passaram 358 anos desde que Hodierna apresentou a Lagoa a sociedade. Não se trata exatamente de uma debutante...
            Outra observação é fundamental de ser lembrada.
            Nicolla Louis de Lacaille, o Abbe Lacaille, que com um pequeno refletor de apenas 12,5 mm e com aumento de 8X descreveu a Lagoa assim: “Três estrelas incluídas numa trilha de nebulosidade.” E o Inclui na categoria III de seu catalogo. Estrelas Nebulosas.
            A Lagoa não deu descanso mesmo no século XX. E em uma espécie de reviravolta histórica ele ainda causou confusões no atual cataloga NGC. Kenneth Glyn Jones , sem seu livro clássico , The Search for Nebulae diz que Flamsteed descobriu apenas NGC 6530 , como já disse . Mas então vem mais lenha para fogueira e Brent Archinal E Steven Hynes alegam em seu Star Cluster (2003) que o aglomerado deveria ter sido catalogado como NGC6523 juntamente com a nebulosa em si. É o mesmo objeto.
            Não perca a oportunidade de dar uma volta pela Lagoa e tirar suas próprias conclusões.
Você acha consegue separar nebulosidade de M8 e seu aglomerado? E observar o conjunto com Binóculos?
             A Lagoa continua fascinante e a madrugada é sempre um bom momento para se observar DSO´s.
           

Nenhum comentário:

Postar um comentário