domingo, 16 de agosto de 2015

M 54 - Um Globular Distante

   
    


           M 54 é o Globular mais a leste na base do "Bule"  , o asterismo que marca a constelação de Sagitário, entre as estrelas Ascella e Kaus Australis. Não é um alvo fácil de se localizar sem o auxilio de go-to.  O globular é provavelmente tênue demais para ser percebido através de sua buscadora mesmo  em locais de pouca poluição luminosa.

                Observando com meu binóculo 15X70 mm ele se apresenta como uma estrela fraca e que não dá foco. Um daqueles "impostores de cometa" que justificam sua presença no catalogo Messier . Na verdade um bom exemplo para justificar o catalogo...
2X Drizzle. 15X15seg. 
                Quando observado com um refletor de 150 mm com  48 X de aumento o aglomerado continua se apresentando como uma nuvem de luz sem se resolver. Com 120 X pouca coisa muda e com visão periférica um ou dois pontos "tentam" surgir em suas bordas.  Não espere resolver nada de grandiosos com telescópios com menos de 250 ou 300 mm.  Eu sempre percebo um núcleo estelar "arrodeado" de um halo amarelado que é uma nuvem de luz tentando ser areia.  É uma visão bem poética do que é um discreto e distante globular...
                Messier o viu como " Uma nébula muito tênue descoberta em Sagitário. O centro é brilhante e não contém estrelas.Observado com um refrator Acromático de 3 e 1/2 pés. " É uma descoberta original de Messier e foi registrado em 24 de julho de 1778 . William Hershel conseguiu resolver algumas estrelas em sua bordas. Sendo classificado como um Globular de tipo III na escala Shapley ( 1 máximo de concentração e 12 o minimo)   ele é bastante concentrado e isto torna ainda mais difícil resolver estrelas individuais . As estrelas mais brilhantes deste se encontram na faixa de 15a magnitude
               
                M 54 é o globular mais distante no Catalogo Messier. Há 89.000 anos luz existem indícios de tratar-se de um Globular extra-galactico. Estudos capitaneados por R. Ibata, M. Irwin e G. Gilmore descobriram uma galaxia elíptica anã que passou a ser chamada de SagDEG ( Sagittarius Dwarf Eliptical Galaxy) que se encontra na mesma direção e distância de M 54. Estudos posteriores confirmaram que ambos viajam na mesma velocidade e na mesma direção. A galaxia propriamente dita ficou desconhecida até 1994 porque é fortemente obscurecida pelas nuvens de poeira que habitam a Via Láctea em direção ao seu centro.  
                A pequena galaxia estaria agora sendo canibalizada pela Via Láctea . O Processo alimentou uma interessante hipótese sobre a origem de globulares. Alguns astrônomos agora acreditam que Aglomerados globulares são o produto de um processo de choque e absorção de galaxias. Quando duas galaxias colidem ou ocorre um  o processo de absorção  pode ocontecer a uma onda de formação estelar e/ou deixar restos de material galáctico acretado que se tornariam aglomerados globulares.  M 54 seria um exemplo deste processo. Há também quem acredite que M 54 seja o núcleo de SagDEG. E que globulares podem ser os núcleos de galaxias que foram canibalizadas durante a formação de galaxias maiores e dominantes. Em 2009 foi descoberto indícios da existência de um buraco negro de massa intermediaria no centro de M 54 . Isto viria a contribuir com a hipótese deste ser o núcleo de uma pequena galaxia.  Outro dado que corrobora esta hipótese é que estando a distancia estimada correta o insignificante M54 seria, na verdade, um dos mais brilhantes aglomerados globulares da Via Láctea, atrás apenas de Omega Centauro    . Ele brilharia com a luz de 850.000 sóis e teria uma magnitude absoluta de -10,01.
                Embora discreto na ocular é um belo  desafio para qualquer instrumento óptico e um alvo de grande interesse cosmológico.

                

Nenhum comentário:

Postar um comentário