terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Ngc 104 ou Tuc 47- O Globular "Blonde"



Quando trabalho com velhos fotógrafos ingleses é um pedido recorrente em suas listas de equipamento uma espécie de refletor que se não em extinção eu diria pelo menos fora de moda. Eles sempre pedem uma meia dúzia de “Blondes”. São refletores redondos e sem lente com uma lâmpada de 2000 w de tungstênio. Seu nome vem da cor amarelada da luz que emitem. Uma luz dura e “quente”. Quente no sentido poético já que sua temperatura de cor deve estar apenas pela casa de 4200 Kelvins ou menos dependendo da idade da mesma. Algumas lampadas, assim como estrelas ,ficam mais vermelhas e frias  com a idade... No Brasil são chamados de “2000 abertos”.

Ngc 104 ou Tuc 47 é o segundo maior globular e o segundo mais brilhante na Via-lactea.  Ele só é ofuscado pelo gigante Omega Centauro (Ngc 5139).

Ngc 104 apresenta (pelo menos para mim), apesar de dominados pelas gigantes vermelhas típicas de um aglomerado com mais de 13 bilhões de anos,  um evidente tom amarelado. Como a luz  que caracteriza os “blondes.
Como revela seu nome (Tuc 47) ele foi registrado como uma estrela.  A estrela 47 da constelação austral de Tucana. Mas ao contrario do que possa parecer seu numero não é original do tradicional catalogo de estrelas organizado pelo astrônomo inglês John Flamsteed e publicado ainda no século XVII em seu livro póstumo “Historia Coelestis Brittanica”. Ele é originário do catalogo "Allgemeine Beschreibung und Nachweisung der Gestirne nebst Verzeichniss" elaborado por Johann Elert Bode e compilado em 1801.
 Bode foi um astrônomo alemão e carrega entre seus não poucos louros a reformulação da hoje conhecida Lei de Titius- Bode, a determinação da orbita (e o nome que colou...) de Urano, a descoberta da galáxia M81 (a galáxia de Bode) e mais algumas homenagens astronômicas. Não esquecendo seu lindíssimo atlas também de 1801 “Uranographia”.   
De volta a Ngc 104. Sua real natureza de DSO foi revelada pelo favorito aqui da redação do Nuncius Australis, O Abade Nicolas Louis de Lacaille. O Abbe Lacaille.  Em 1751. Mas parece que este fato foi ignorado pelos amigos acima citados.
O globular é a primeira entrada do catalogo de nébulas do hemisfério sul feito pelo Abbe nos anos de 1751/52 durante sua jornada a Cidade do Cabo. Assim sendo Lac I. 1 . Isto implica que o Abbe o inclui como uma nebulosa sem estrelas (a categoria I de seu catalogo). Sua descrição é bastante modesta: “Recorda o núcleo de um pequeno cometa.”.
Posteriormente foi registrado e catalogado por James Dunlop em 1826 e por John Herschel em 1834. Recebe também as designações Dunlop 18 e Bennet 2. 
Sir Patrick Moore o inclui em sua lista observacional conhecida como o "Catalogo Caldwell". É a entrada de numero 106.
O globular esta situado entre 13.400 e 16.700 anos luz da terra dependendo da fonte consultada. Encontrei também o valor de 15.000 anos luz em uma terceira fonte...
Todas elas concordam que suas estrelas se espalham por uma área de 120 anos-luz.
Tuc 47 é um globular muito estudado e pesquisas  intensas realizadas pelo Hubble Space Telescope revelam a ausência de planetas pelo menos nas estrelas junto a seu denso núcleo. A baixa metalicidade das mesmas é considerada como maior responsável por isto. Mais mesmo que a sua grande densidade.
Em seu núcleo existe ainda um grande numero de estrelas exóticas e de grande interesse cosmológico.
Foram detectadas pelo menos 21 “Blue Stragglers” junto a este. Blue Stragglers são estrelas na sequencia principal que se apresentam mais azuis e mais luminosas que deveriam em comparação aos outros membros do mesmo aglomerado. Se quiser saber mais clique aqui...
São comuns também fontes de raios-X (mais de uma centena).
Como foi dito apresenta diversas maravilhas do zoológico cósmico e assim se apresentam estrelas de nêutron, pulsares na casa dos milissegundos, variáveis cataclísmicas e etc... Não há indicio de buraco negro junto a seu núcleo. 
Possui milhões de estrelas. Comparável a uma galaxia anã.
Ahh! E ele se aproxima de nós a 19 Km/s.  
Localizar Tuc 47 é uma tarefa bastante simples e o mesmo é facilmente percebido a olho nu exceto nas piores condições de poluição luminosa que se possa imaginar (Mag. 4,0). Eu o percebo mesmo no Rio de Janeiro. Em local um pouco mais escuro se percebe claramente sua natureza “esfumaçada”.  
Em geral localizo Achernar e abaixo ( sul) no horizonte Beta Hyidra (Mag. 2,8).  Da segunda é fácil acha-lo pela buscadora. Ela esta menos de um campo de buscadora  a Leste do aglomerado.
É um alvo fácil para binóculos de qualquer tamanho e com meu 15X70 chego a perceber alguma granulosidade na imagem.
Resolvem-se muitas estrelas em seu “em torno” no meu refletor 150 mm com 120X. Com 240X ele enche o campo da ocular.
É um globular bem denso (classe III) e assim é difícil resolver seu núcleo mesmo em grandes telescópios amadores.

Venho organizando minhas fotos astronômicas e localizei alguns registros do mesmo. Acima apresento um feito com diversas fotos de 15 e 30 segundos e empilhadas no Rot and Stack. E abaixo apresento outro registro feito também com fotos de 15 e 30 segundos (são  as mesmas  fotos...) e utilizando Black frames e processado no Deep Sky Stacker.  Ambos realizados no Rio de Janeiro. 


 Apresento ainda mais algumas de pedigree desconhecido e que estavam pelo HD. Todas fotos realizadas com uma Canon 350D




Mais em umas e menos em outras percebo a luz amarelada de um  velho  “Blonde” em todas...

P.S.  Novas fotos já com a Canon T3. Curiosamente a foto como menos frames empilhados é a que mais gosto. E a Luz de um "Blonde" continua presente....


2 light Frames + 2 Blacks 20 Seg. DSS




9 Frames

11 Frames




         Na verdade o que acontece ( acredito eu...) é que conforme se abaixa o valor do valor Limite nas configurações avançadas do Deep Sky Stacker mais fotos são aceitas. E  qualidade é melhor que quantidade. Com um Limite de 15 % o DSS só aceitou empilhar as duas melhores fotos. Já com o Limite em apenas 3% ele empilhou as 11. Mas não houve uma melhora na razão Sinal Ruido. E é por isto que empilhamos fotos....  Embora as diferenças sejam sutis eu achei que com dois frames foi aonde a razão foi melhorada. Além e que as estrelas de campo estão mais pontuais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário