quarta-feira, 8 de abril de 2015

O Tamanho das Coisas

       


         Quando observamos pequenas nebulosas junto a ocular de nosso telescópio não podemos sequer imaginar a imensidão de espaço que é abarcada por aquele pequeno esfuminho.
            Da mesma forma que quando resolvemos um aglomerado aberto não realizamos plenamente quão iluminado seria o céu de uma planeta que porventura orbitasse uma daquelas estrelas.
            Recentemente "descobri" um aglomerado aberto que "não existia". Depois de muitas reviravoltas cheguei a prova da existência do mesmo. Um desafio lógico. Só que apesar de ter substanciado a existência de Ngc 5269 eu não descobri nada a seu respeito. Tornou-se um aglomerado sem parâmetros físicos. Através da analise fotográfica do meio e de uma matemática mais para Mandrake do que para Gauss eu cheguei até alguns valores que ainda que suspeitos nos davam um retrato da paisagem.
            Posto tudo isto como podemos determinar o tamanho das coisas que observamos a partir de imagens com apenas alguns minutos ou mesmo segundos de arco e no limite da capacidade de nossos telescópios?
            Até encontrar Ngc 5269 eu geralmente obtinha dados como o tamanho físico e a distancia do DSO que estou observando através de programas planetários , na minha biblioteca ou em bancos de dados espalhados pela web.
            Claro que há um método matemático para o mesmo. E na descoberta deste descobri que muitas vezes o que descobrimos é muita vezes um chute educado...
            Sou um jovem homem velho e assim ainda possuo muitos livros. Em geral confio mais nestes que em fontes virtuais. E assim localizei  uma interessante passagem e uma formula ainda mais legal folheando o meu "The Messier Objects" da série Deep Sky Companions e de autoria de meu ídolo Stephen James O´Meara . Um livro fundamental e prefaciado pelo "Messier moderno" David Levy.
            Ele nos diz  em um trecho do 3 capitulo ( The Making of this Book)  que os astrônomos continuam discutindo a distancia das galaxias no Aglomerado de Virgem. Estimativas conservadoras  variam entre  varam entre 49 e 72 milhões de anos.  Existe um catalogo  ( que apesar de já um pouco datado continua sendo um modelo...) chamado Nearby Galaxies Catalog , deR. Brent Tully  que assume uma constante de Hubble de 75 Km /seg/ Megaparsec ( não se desesperem pois a formula que chegaremos implica que você apenas saiba multiplicar...)   e que uma galaxia é desviada  por 300 Km/seg da expansão universal pela massa do aglomerado de Virgem. Tully chega a uma distancia de 55 milhões de anos luz para o centro deste...
            Desta forma o diâmetro físico de uma galaxia pode ser determinado usando´se a singela formula:
            diâmetro (em anos luz) = 0.292xDXR
            Onde D é o diâmetro aparente da galaxia em minutos de arco e R é a distancia do objeto em mega parsecs .

            Quando queremos tratar de outros DSO´s galácticos a formula muda. Na verdade a constante muda. E aí temos:
            diâmetro=0,000292XDXR
            Aqui D continua sendo o diâmetro aparente em minutos de arco mas R é a distancia em anos luz.

               Para chegar até Ngc 5269 eu fiz um treino com seu aglomerado padrinho  (Ngc 5281) e utilizei de  handicap antes de fazer meu chute nem tão educado com o aglomerado que não existia. 
            Ngc 5281 é um de meus aglomerados abertos favoritos . Me lembra o Gato de Cheshire   e sempre quis conhecer o Pais das Maravilhas. Em um estudo recente sobre o mesmo para meu projeto sobre o Catalogo Lacaille descobri que o mesmo possui informações conflitantes sobre seu tamanho.  . Enquanto pagina da SEDS diz este possuir apenas 5´de minutos de arco o Stellarium apresenta 14´e O´Meara diz 9`. Inclino-me a concordar com a ultima. Botando mais lenha na fogueira eu diria que este se espalha por 7´de arco.
            Como existem muitos métodos para se determinar a distancia de estrelas e assumindo que HD 11 9002 é um membro real do aglomerado e confiando mais ainda no Banco de dados da WEBDA resolvi tirar a limpo a questão. Determinar onde acaba um aglomerado aberto e começam estrelas que estão apenas contaminado o campo po de ser bem complicado. Mas levando-se em conta a fonte que é a minha favorita e da torcida do Fogão ( "Star Clusters" Wilmman- Bell 2000)   e o banco de dados da WEBDA sabemos que Ngc 5821 se encontra a 4200 anos luz de nós e suas estrelas se espalham por ~10 anos luz de espaço...
            Começaremos pelo perdulário  Stellarium. -
            Diâmetro = 0,000292 x 14 x 4200
            E assim Ngc deveria se espalhar por 17,1 anos luz. Ou estar bem mais perto do que a fotometria de diversas estrelas realizadas em um trabalho feito por Stanner indica...
            Agora a pão dura SEDS:
            Diâmetro =0,000292 x 5 x 4200
            E chegamos a 6,1 anos luz... Mais realista  meu ver mas ainda longe da pesquisa.
            Agora meu Idolo Stephen James O´Meara em seu "Southern Gems"...
            Diâmetro= 0,000292 x 9 x4200
            11,03. Chegando bem perto.
            E finalmente o vinho da casa...
            Diâmetro= 0,000292 x 7 x 4200
            8,6 anos luz.  
            Se a distancia entre nós e o centro do Aglomerado de Virgem pode variar   23 milhões de anos o diâmetro real de Ngc 5821 varia apenas uns poucos anos luz. Mas eu defendo que ele tem 7 arc min no meu telescópio. E  se espalha por modestos 8,6  de anos luz. O céu de um imaginário planeta ao redor de uma estrela em seu centro ia ter um céu cheio de estrelas bem brilhantes.

            O tamanho das coisas e as contas do tamanho...

Nenhum comentário:

Postar um comentário