quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Ngc 2669- Escondido no Falso Cruzeiro

           
                Quando falamos de aglomerados abertos a maior parte dos astrônomos imagina algo como as Pleiâdes. Ou quando um pouco mais conhecedores as Caixinha de Jóias. Outros sérios candidatos seriam o Presépio ( M44) ou ainda as Híades.
                Quando falamos de aglomerados abertos a maioria dos mortais não imagina nada.
                Mas a grande maioria dos aglomerados abertos são muito mais discretos que seus companheiros mais famosos.  E estes em geral são bem próximos.
                O nosso convidado esta noite é Ngc 2669. Um discreto habitante da constelação de Vela. Além de ser um pequeno aglomerado escondido bem fundo ao sul do céu tem como vizinho um grande e mais conhecido latifúndio. Isto fez dele um ilustre desconhecido. Não esta em nenhuma das listagens mais conhecidas e nem frequenta os mais tradicionais autores do gênero DSO. Messier nunca o avistaria de Paris. Era por demais tênue para ser avistado por Lacaille. Sua descoberta foi realizada por  John Herschel ( o filho ) em já no seculo XIX. Mais precisamente em 1834.  Dreyer inclui este em seu completíssimo New General Catalog publicado em 1888. Por aqui caia o Império...
                 Posteriormente foi incluído em catálogos mais obscuros como  Harvard (3), Collinder(202) , Lund (481) e outros ainda menos manjados... 
                Ele não é citado nem mesmo no Catalogo Caldwell. E passa liso por diversos autores mais modernos e sempre ávidos por novidades com Walter Houston , Phil Harrigton , O´Meara e Cia. Ltda.
                Mas é preciso corrigir esta injustiça. Em primeiro lugar por este não ser assim tão pequeno. tem cerca de 20´ de tamanho (um pouco menos que a Lua ) . Nem é tão apagado assim. Magnitude 6.1. E nem é tão difícil de ser achado.  E claro além de ser um belo pingente para a Coroa Austral.
                Ao Lado de Delta Velorum , no Falso Cruzeiro , esta talvez a maior ameaça a Ngc 2669. IC 2391. O primeiro DSO " descoberto" pelo Nuncius Australis.  Também batizado de Aglomerado da Pequena Cassiopéia em homenagem a constelação Boreal este espetáculo celeste se espalho por 2o de céu e brilha com magnitude  2,5. é facilmente percebido a olho nu mesmo em locais de intensa poluição luminosa.
                Se por um lado a Pequena Cassiopéia acaba com qualquer chance de fama para este singelo aglomerado ela também é o farol que torna localiza-lo bem simples.  (HD  74535)
                 As duas mais brilhantes estrelas que marcam o pé mais a leste do M que é formado por IC 2391 habitam o mesmo campo que  Ngc 2669.  Na buscadora você talvez não perceba o aglomerado mas as estrelas que o emolduram serão evidentes em qualquer instrumento óptico.
                Ngc 2669 foi duro na queda . Diversas vezes que o procurei ele não quis se apresentar. Outra vezes caiu vitima rapidamente. Quase sempre o percebi com meu 15X70. Menos em condições muito extremas   ( Lua cheia e forte poluição luminosa) . Mas provavelmente devido a seu tamanho não tão grande localiza-lo com um telescópio pode ser mais difícil que parece. Ele se apresenta discreto em oculares wide field. E com maiores ampliações pequenos desvios nos levam ao lugar errado. A região é rica em estrelas e você pode acabar se confundindo.
                Nunca conseguira o fotografar da Stonehege dos Pobres ( O Observatório mais Urbano do Mundo) . Mas  visitando a Armação dos Búzios eu decidi que isto iria mudar.  Fiz um ensaio na véspera da viagem com o 15X70 só para garantir que ele continuava por lá.
                No céu "escuro " rapidamente o tinha enquadrado. O alinhamento polar como sempre deixou um pouco a desejar. Mas fiz diversas exposições do próprio . A lua quase cheia . Mas ele se apresentou.
                Agora o trabalho era descobrir mais fatos a respeito do suspeito . Foi mais dificil do que parecia. Pouquíssimos papers o citam e quase nenhum é lá muito especifico. Ele sempre faz é um coadjuvante em amostragens com milhares de aglomerados abertos.
                Depois de muito fuçar localizei um trabalho realizado por N. Vogt e A. Moffat  do Instituto Astronômico Ruhr de  em 1972  ( publicado em  Astrophysiccs and Astronomy Suplemment  9 de 1973) onde estes levantaram dados fotométricos de 11 Aglomerados galácticos no hemisfério Sul celestial.  ( Southern Open Star Clusters II- UBV- H b photometry of 11 Cluster between Galactic Longitudes 259and 280o)
                Daí vem toda a ficha do Individuo.
                Ngc 2669 se localiza entre 3000 e 4000 anos luz de nós. Embora sem grandes certezas eles atribuem uma idade intermediaria para o aglomerado  devido ao numero de estrelas Azuis e Gigantes vermelhas, A idade do elemento é de 6x10anos ( sempre quis usar notação cientifica em meus posts... ) 
                 E é só . Os rapazes não se aprofundam muito nos aglomerados em estudo. Aliás todos pouco conhecidos. A maioria pertence ao Catalogo Pysmis. Acho que nunca observei nenhum membro deste aí...
6x25 seg +6 darks DSS Newtoniano 150 mm Canon t3 asa 1600
                O que vejo na ocular me leva a crer que trata-se de um aglomerado pouco denso e sem um grande numero de membros. Embora seja difícil determinar quem pertence de fato ao aglomerado eu conto entre 35 e 45 membros.   Quanto as cores a lua cheia lava bastante da informação mas consigo perceber algumas estrelas levemente mais avermelhadas.
                Ngc 2669 é um belo pingente e não deve ser desprezado quando você for visitar IV 2391. Um bom exercício seria fotografar ambos em um mesmo campo.  Eu ( preguiçoso) fiz um pequeno mosaico bastante tosco. Creio que possa ajudar na localização do Aglomerado em relação a IC 2319. Mas creio que com um telescópio wide field ou mesmo uma tele objetiva a tarefa seja relativamente simples.

                Como já falei Ngc 2669 é um belo pingente entre as jóias da Coroa Austral. Mas localiza-lo requer atenção mais especial que muito s abertos . Seria um cristal bem transparente...

Nenhum comentário:

Postar um comentário