terça-feira, 4 de novembro de 2014

M 13 : O Grande Aglomerado de Hércules e "Ne Plus Ultra"

       
 



                 Apesar da estação ser completamente contraria as pretensões observacionais deste post eu não consegui resistir e queimei a largada. Em uma visita a casa de minha mãe me deparei com a velha coleção completa de Monteiro Lobato que durante toda minha infância ocupou uma das prateleiras no escritório de meu avô. Despretensiosamente escolhi um daqueles livros de capa dura e  marrom e paginas já amareladas pelo tempo e me deparei com a versão Tupiniquim dos Trabalhos de Hércules.
                Para aqueles que não mais lembram quais foram exatamente estes farei uma rápida revisão.  Estrangulou o Leão de Neméia ( que também virou constelação), Matou a Hidra de Lerna, alcançou a Corça de Cerineia ,Capturou o Javali de Erimanto, Limpou os currais do rei Augias, matou as Aves do Lago Estínfalo, Montou o Touro de Creta no primeiro rodeio descrito, Castigou Diomedes ,  Matou o gigante Gerião,  colheu os pomos de ouro ,Venceu as Amazonas e (ufa...) trouxe do mundo dos mortos o cão Cérbero.

                A estrela Alpha de Hércules é Ras Algheti , uma das mais brilhantes variáveis irregulares do firmamento, de cor avermelhada e com sua magnitude variando entre 3.1 e 3.9. Seu nome deriva da frase Arabe " Ras al Jathiyy" ( A cabeça daquele ajoelhado).
                O "ajoelhado" é , evidentemente, a grande figura do antigo e poderoso herói grego e semideus Herácles, o Hércules dos Romanos.
                Este padrão de estrelas foi um dos primeiros a ser definido e nomeado. Desde tempos muito remotos foi identificado com grandes heróis ou deuses. Na Babilônia era associado ao obscuro  Deus-Sol Izdubar , ao grande caçador Nimrod e ainda com Gilgamesh.  Para os  antigos Fenícios (uma potencia marítima)  a figura representava o deus do mar Melkarth.
                Burnham e seu clássico " Celestial Handbook" apresenta diversas representações da figura em uma série de moedas que cobrem um longo período histórico e as histórias associadas a cada uma destas moedas. Em uma das passagens mais curiosas ele apresenta uma moeda cunhada a partir de 126 A.C. que representa este hibrido entre Hwrcules e Melkarth e que seriam o tipo de moeda da história das trinta peças de prata envolvendo Judas.
                A História de Hércules   propriamente parece ser uma colagem de Mitos . Ele  se apresenta para nós como uma combinação de divindade que gradualmente assume os atributos ou ganha os créditos de outros heróis antigos. Segundo a lenda grega em Tebas pouco antes da guerra de Tróia. É filho de Zeus com a mortal Alcmene o que leva ao ciume e a inimizade de Hera. Curiosamente seu nome parece significar " A Glória de Hera". Mas na velha tradição grega seu nome de batismo seria Alcides. Ele era Bisneto de Perseu e desde de a infância apresentou uma força sobre-humana.
                Alguns livros sugerem que seus doze trabalhos tem uma relação simbólica com os signos Zodiacais.
                De seus doze trabalhos eu considero o décimo como o mais representa tivo para este nosso post. Em sua missão para superar o Gigante Gideão Hércules atravessa o Estreito de Gibraltar onde se erguem os Pilares de Hércules ( Hoje mais conhecidos como o Monte Musa ou Acho no lado africano e o Rochedo de Gibraltar no lado europeu)  . O Limite oeste do então " Mundo conhecido".  Nas cartas medievais o local era tradicionalmente marcado com a Legenda "Ne Plus Ultra" significando ' Nada Mais Além". Posteriormente , com a descoberta das Américas , a Espanha querendo demonstrar seu poder e influencia substitui esta legenda em seus mapas por " Plus Ultra".  
                  Hércules era imortal mas acaba aceitando a morte para cessar o sofrimento causado por um robe envenenado com o sangue do centauro Nessus. E Assim foi levado aos céus , perdoado por Hera e casou-se com a filha desta  Hebe.
                Como não poderia deixar de ser ele se apresenta no firmamento em sua tradicional pose ajoelhada com seu pé esquerdo ( Iota Hércules)  sobre a cabeça do Dragão ( outra constelação...)  sua cabeça indicada por Alpha Hércules e sua clava erguida indicada por gama e Beta. Para observadores modernos a constelação é mais reconhecido pelas quatro estrelas que formam um quadrado  são Epsilon , Zeta , et e Pi.  A formação é conhecida como "The Keystone " e é um asterismo que embora não possua estrelas extremamente brilhantes é facilmente percebido de  céus suburbanos. Em áreas de extrema poluição luminosa demanda muita tenção para ser localizado.   
                De qualquer forma é ele que vai nos levar "Plus Ultra ".No Caminho do Céu profundo Hércules vai nos levar muito além de onde Aratus , Eudoxus e seus biógrafos poderiam jamais imaginar.
                M 13 é o Globular por excelência dos céus boreais. Nada que se aproxime das maravilhas aqui do sul. Mas para mim ele recebe um honroso 4o lugar ( sendo derrotado apenas por Omega Centauro, Tuc 47 e M22. )

                A melhor estação para se observar M13 é durante o inverno. Localizar o  " Keystone" em céus urbanos pode ser um pouco delicado então localize Vega e Arcturus. Imagine uma linha ligando as duas e divida esta em terços . No primeiro terço próximo Arcturus você vai localizar uma fraca porém visível constelação da Corona Borealis. Lá você vai localizar a brilhante estrela Alpheca. então localize o ponto central da Linha que liga esta a Vega. Com atenção você vai perceber as quatro estrelas que formam o quadrado ( mais para um trapézio...) que formam o "Keystone.  Daí é só localizar as duas estrelas mais a oeste deste asterismo ( Eta e Zeta) e dividindo a linha que as liga em quatro partes o Globular vai se encontrar no primeiro quarto mais ao norte ( mais próximo a Eta) . Olhe o mapa e até mesmo por tentativa e erro você vai localizar M 13 . É facilmente percebido pela buscadora e em locais de céu escuro é notado mesmo a olho nu . O globular vai se apresentar para pequenos telescópios como uma bola de luz com o centro mais brilhante que as bordas e estará flanqueado pôr duas estrelas de 7a  magnitude. A parte mais central é responsável por apenas 1/5 do raio total do aglomerado. Um telescópio de 150 mm vai começar a resolver estrelas nas bordas do mesmo. Grandes telescópios poderão perceber as "Hélices de M13" que consistem em uma justa posição de estrelas mais brilhantes no próprio aglomerado que dão a impressão de hélices sobre um motor radial. Lord Rosse e seu Leviatã ( o maior telescópio de seu tempo) foi o primeiro a notar tal caracteristica. Ha registros de observação da Hélice com telescópios de 200 mm e até mesmo 150 ( achei um desenho realizado com um 150 mm por Jeremy Perez. Acho que ele utiliza também de sua memória na obra...). Me parece otimista e a maioria dos autores acham que só é possível ( mesmo assim em noites muito especiais ) perceber a estrutura com telescópios de no minimo 300 mm. Eu percebo claros indicios da mesma em foto que fiz com o Newton ( Meu refetor de 150 mm f8).



25 exp. X 25 seg Newtoniano 150 mm Canon T3 ASA 3200 Drzzle de 3X

            
Outra visão do "propeller". 
                     Este aglomerado Globular possui a estimativa de conter mais de um milhão de estrelas. Sua parte central possui um diâmetro de 100 anos luz e ele se localiza a 25.000 anos luz de distancia de nós. Grandes telescópios tem sido capazes de resolver cerca de 30.000 estrelas em sua margens. Em sua região central ele é tão denso que não é possível detectar estrelas individuais em meio a multidão. O termo denso deve ser entendido como estrelas  a cerca de um décimo de anos luz uma das outras. Suficientemente distantes para que colisões não sejam tão comuns. Não achei documentação sobre Blue Stragglers em M13 embora exista entre suas estrelas uma estrela azul. Mas diversas fontes indicam-na como uma estrela capturada. . Assim como a maioria do globulares M 13 é tão antigo quanto a galaxia e possui mais de 10 bilhões de anos.
                O primeiro registro de M13 foi realizado por Edmond Halley ( o do cometa...)  em 1714 e o mesmo adentrou o Catalogo Messier em 1 de Junho de 1764.
                M 13 foi escolhido para enviar-se um sinal de radio em busca de civilizações alienígenas. Mas infelizmente o sinal mandado vai chegar ao local errado. Já que ele não estará mais lá quando o sinal chegar. Foi mais uma demostração tecnológica do que propriamente uma tentativa real de contato.

                M 13 é um gigante assim como Hércules. Um Globular a altura da constelação onde habita.

    

2 comentários:

  1. Há quem diga (e pessoa séria) que os aglomerados globulares são núcleos de pequenas galáxias capturadas, e incorporadas à galáxia principal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ha fortes indícios de que alguns globulares possam ter esta origem. Omega Centauro é um sério candidato ...

      Excluir