sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Ngc 2362- "The Mexican Jumping Star"

15 exp. 15seg Canon 350 d Newton 150mm F8 


Ngc 2362 ou o aglomerado de Tau Canis Majoris é um aglomerado aberto muito interessante.
Este ainda responde pelo apelido de “The Mexican Jumping Star”.  Não me perguntem o porquê.
Apesar de tudo isto ele é ofuscado por M 41. Quando se pensa em Cão Maior o objeto Messier é sempre o primeiro DSO a ser lembrado. Não chega a ser uma injustiça. Mas é, no mínimo, uma boa chance de se ficar calado. Eu particularmente acho 2362 muito mais charmoso e original que seu companheiro de constelação.
Talvez por sua estrela principal ser tão brilhante e esconder seus atrativos com baixas magnificações.
Enquanto M 41 revela sua natureza facilmente em qualquer buscadora Ngc 2362 se apresenta disfarçada de estrela. Alias uma estrela bem brilhante.

Recentemente resolvi fotografar 2362 e rapidamente realizei o fato. Partindo de Wezen (Delta CMj) eu imaginei que seria fácil localizar o aglomerado. E é. Tão fácil que demorei a realizar quem era a peça. Eu já o tinha visitado anteriormente e tivera o mesmo problema. Mas esqueci. A primeira vez a gente esquece...  
Imaginando que perceberia alguma nebulosidade, que denunciam aglomerados abertos, não vi nada. Depois de consultar o Sky Atlas2000 (adoro observar sem usar o computador e adoro mais ainda o meu Sky Atlas)tive certeza que o mesmo se encontrava no campo. E se encontrava. Era a estrela mais brilhante. Em um campo muito rico.
Um campo rico...

 Incrédulo me dirigi para ela e ao olhar pela ocular vi o que queria ver . Usando a 25 mm eu tinha 48X de aumento. Foi mais que suficiente. Ela se resolveu em um aglomerado bem condensado ao redor de uma estrela brilhante e cheia de spikes...
Seu formato remete a um globular. Mas sua natureza é obviamente outra.
Me recordo do catalogo Collinder, onde os aglomerados são classificados por tipo. Eu usaria 2362 como um dos tipos. Embora o mesmo seja classificado no mesmo como do tipo μ Norma eu acho ele muito mais representativo. Na verdade não localizei nenhum aglomerado relacionado a μ Norma.
O aglomerado foi descoberto por Hodierna e apresentado em seu catalogo publicado em 1654. Mas como este mesmo catalogo só foi redescoberto nos anos de 1980 ele foi achado novamente por Herschel (pai) em 4 de março de 1783. È a segunda descoberta de Herschel. No mínimo uma honra. Este posteriormente o catalogou como H VII. 17 baseado em suas medidas realizadas em 6 de março de 1785.
O aglomerado possui cerca de 60 estrelas e é bem jovem. Ao redor de 25 milhões de anos. Tão jovem que é ainda associado à nebulosidade que lhe deu origem.  Burnham destaca que apesar de ser associado a uma nebulosa (membro do catalogo Sharpless) o mesmo não se encontra envolto pela mesma. Provavelmente devido aos ferozes ventos estelares criados por suas estrelas, em especial Tau Canis Majoris.
Tau é uma estrela do tipo O8. Uma super gigante. Ela é o membro mais brilhante de um sistema binário espectroscópico e brilha com magnitude de 4.3. Ha um paper que alega que existem pelo menos cinco membros observaveis neste sistema e que no mesmo existem as duas estrelas do Tipo O mais proximas conhecidas (o par espectroscópico) . Uma orbitaria a outra em menos de 2 dias. Estas estrelas se apresentam, em um exercício de imaginação, com a forma de "dois ovos" A massa do sistema esta por volta de 40 a 50 massas solares. Se a estrela (Tau Canis Majoris) for, de fato (tudo indica que é), membro do aglomerado que se encontra a 5000 anos luz ela será uma das super gigantes mais brilhantes conhecidas. Magnitude absoluta de -7. Uma luminosidade equivalente a 50.000 sóis.
Como Tau é uma estrela tão brilhante pelo menos um membro do aglomerado é visível a olho nu. E assim o aglomerado se faz um excelente alvo para fotografia. O foco se faz fácil. Basta fazer de Tau um ponto. 
Gostaria de destacar que 2362 é um alvo interessante para qualquer telescópio. Como um alvo binocular é mais sem graça. Com meu 10x50 é uma estrela brilhante. Com o meu 15X70 percebe-se que não é bem assim. Mas não chega a ser um “showpiece”.
 Com meu 70 mm ele vira gente grande.  No 150 mm ele resiste a grandes ampliações (300x) e é ”o tal”. (ou seria “o Tau”...).
Jake Saloranta (um observador bem experiente) o descreve assim através de um Konus de 75 mm com 126 X.
“Facilmente visível mesmo a 5º de altitude e com a pequena abertura. O aglomerado se encontra ao redor – especialmente ao sul- de Tau Canis Majoris e apresenta poucos membros e um brilho ao fundo.”
Já o famoso Steve Gotlieb o descreve assim usando um telescópio com mais de 400 mm e um aumento de 100X:
“” Este é um maravilhoso, uniformemente rico, aglomerado ao redor de Tau Canis Majoris que se encontra levemente fora do centro. Uma cadeia de estrelas orientadas WNW- ESSE lhe dá um aspecto triangular (não concordo...). Cerca de 60 membros. 6´ de diâmetro.
Ngc 2362 é uma das ”estrelas da estação” estando disponível desde cedo e um alvo perfeito tanto para observação visual como para astrofotografia.
Para os astrofotografos de estomago forte e competência idem registrar a nebulosidade associada é um desafio dos mais interessantes.
Esta é da NASA e apresenta Sh-310 

 Ela responde pela sigla Sh-310.É uma nebulosa gigantesca. Um membro do catalogo Sharpless de regiões H-III. 




Um comentário: