terça-feira, 29 de maio de 2012

A Juba do Leão


No Leão: Algeiba, Uma Estrela dupla, Gamma Leonis.

Localizar Algeiba ( ou Algieba...) é uma tarefa relativamente simples. Primeiro localize Regulus (Alpha Leonis) e o asterismo que marca a busto do Leão. Parece claramente com um ponto de interrogação de cabeça para baixo (¿). Só que visto em um espelho.

A constelação de Leão é uma das poucas que permite visualizar o animal facilmente. Olhando para o horizonte norte (abaixo do equador) você vai visualiza-lo bem próximo a meridiano no começo da noite  ou logo ao entardecer  ao decorrer do outono.  Durante o mês de Junho é um bom alvo para começar as observações. A estrela é bem brilhante e você vai perceber mesmo durante o crepúsculo.

De volta ao “ponto de interrogação” que é composto por seis estrelas procure  a segunda mais brilhante e  terceira abaixo no horizonte contando a partir de Regulus.

É Algeiba.

Com ela na buscadora você vai perceber varias estrelas brilhantes. Ela será a mais brilhante com uma companheira mais fraca logo ao sul (40 Leo).  Centralize a buscadora na mais brilhante e parta para a ocular.

As duas componentes são bem próximas com a primaria sendo amarela e a secundaria levemente mais alaranjada. Mas cada pessoa percebe cor de forma um pouco diferente. Logo há controvérsias.  Observar durante o crepúsculo ajuda a ressaltar as cores de suas componentes.

Use a maior magnificação possível. Algeiba é orgulhosa e não se rende facilmente. Especialmente em pequenos telescópios. Nunca a separei com menos que 240X. Ela requer um seeing pelo menos razoável para ser resolvida em telescópios modestos.
Algeiba

Burnham,em seu “Celestial Handbook”, considera Algeiba uma das mais belas duplas do céu.

Algeiba esta há um pouco mais de 100 anos luz de nós e sua companheira a rodeia em uma orbita elíptica de quase 300 UA (unidades astronômicas) de diâmetro.  Demora quase 600 anos para completar seu trajeto. Desta maneira os astrônomos vêm acompanhando seu movimento relativo a mais de cem anos e sabes-se que sua orbita é bastante excêntrica e  se encontrará na sua maior distancia da primaria por volta de 2100. Estará então há  aproximadamente 175 UA e sua separação, vista da terra, será de +- 5 segundos de arco. Isto é algo como 4 vezes a distancia entre Plutão e o Sol (na verdade mais...).

A estrela primaria se classifica com uma gigante amarelo alaranjada ainda jovem (K0III). Isto a faz 16 vezes maior que nosso sol, com uma massa 4 vezes maior e com uma luminosidade equivalente a 80  vezes ao de nossa estrela "matriz" e apresenta uma magnitude de 2.6. A secundaria apresenta  como  tipo espectral  G7III. Também gigante.  Com 50 vezes a luminosidade do Sol.Sua magnitude: 3.8

Algeiba apresenta ainda uma disputa quanto ao significado de seu nome. Sua grafia , logo de cara, pode ser Algeiba ou Algieba...  O seu nome parece derivar do árabe “Al Jebbah” que significa “ Testa”. Mas sua posição no corpo do Leão leva a acreditar que seja a parte ou o todo  da Juba do Leão. Por isto Allen considera que o equivoco é fruto do nome latino (A Juba) ter se “arabizado” com o tempo ou ser fruto de algum mal entendido ou erro tipográfico nos primórdios da imprensa.

A fim de botar mais lenha na fogueira acho importante dizer: Burnham , Allen , e  Consolmagno e Dan Davis chamam Gamma Leonis de Algeiba. Já o Stellarium e o CdC a batizam de Algieba... Todos, inclusive este modesto astrônomo amador que vos escreve, concordam que é evidente que Algeiba ou Algieba significa “A Juba” em qualquer língua que se queira...  

Estrelas duplas são excelentes alvos para astrônomos urbanos e Algeiba sobrevive mesmo em grandes centros. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário