sábado, 25 de setembro de 2010

Catalogo J.E.S.S. de Objetos Estelares - A Linha Magica

A Linha Mágica





Silvano Silva anotava incessantemente os segredos do céu que aprendia com José Eustaquio. O Nome de seu catalogo era o Catalogo Silvano e Silva de Nebulosas e Aglomerados Estelares. Porém em um dia que tomado de grande humildade (talvez o único dia que isto se abateu sobre o padre) ele admitiu que os objetos catalogados eram fruto do catalogo Messier ou descobertas originais de José ele mudou o nome. Ele não gostava de chamar suas queridas nebulosas e aglomerados de objetos estelares. Já José achava que eram todos objetos estelares e que só não se resolviam em estrelas devido a falta de aparatos óticos poderosos o suficiente. De qualquer maneira Dom João achava que mesmo resolvendo estes em estrelas, objetos estelares só deveriam compreender estruturas formadas por uma única estrela. Porém naquele dia único, em que a humildade visitou aquela alma, ele batizou sua grande obra com o belo titulo: O Catalogo J.E.S.S. de Objetos Estelares. Incrivelmente acrescentou o nome de seu companheiro na frente do seu como utilizou sua classificação. Isto se revelou um equivoco. Seria melhor a utilização de nebulosas e aglomerados.

Acredito que isto se deveu a uma das mais belas jornadas realizadas por ambos. Nesta José revelou uma percepção que estava há séculos a frente do conhecimento de seu tempo. Isto deve ter impressionado muito a Dom João. De seu jeito rústico ele diferenciou claramente a diferente natureza das estruturas que observavam como ainda detectou a diferente localização em relação ao universo de cada uma destas estruturas. Um feito incrível em um tempo que não se conhecia a estrutura do universo. O conceito de galáxia estava a mais de um século de distancia.

Eles se prepararam mais uma vez para sua jornada de Lua Nova. Nada de fogueiras na região.

José estava preparado para apresentar o que ele chamava de “A Corrente” para Dom João Silvano e Silva. Em um primeiro momento isto não impressionava muito o padre. Era só como José se referia a Via- Láctea. Por um lado ele estava certo por outro não poderia estar mais errado.

Ele ia conhecer seria conhecido como a linha mágica. E na linha mágica a pesca só apresentava cardumes. Isto era fundamental.

O que hoje chamamos de aglomerados abertos ou galácticos eram chamados de cardumes por José Eustaquio. Os aglomerados abertos ocorrem apenas em braços da nossa galáxia. . São agrupamentos frouxos de estrelas. Alguns aglomerados abertos são grandes e espalhados. As Hyades (em Touro), as Pleyades (idem) e o Presépio (em Câncer) são desta forma e visíveis são a olho nu. Outros são pequenos e tênues. Suas estrelas não se resolvem e o aglomerado parece uma névoa no céu. Quando podemos ver as estrelas que formam o aglomerado dizemos que ele foi resolvido. De uma forma geral quanto maior o telescópio (Diâmetro), mais aglomerados ele vai resolver. Alguns aglomerados terão apenas poucas estrelas. Outros apresentarão centenas, parecendo um derrame de sal sobre o céu. Tente perceber a diferença de cores nas estrelas que os compõem.

Assim como diversos D.S.O. Alguns aglomerados abertos aparecem melhor em telescópios pequenos do que em grandes. M11 (Em Scutum) vale a pena em qualquer tamanho. O Presépio (em Câncer) é melhor em telescópios pequenos. Já Ngc 2158 melhor em grandes.

Porque estrelas acontecem em aglomerados? Estrelas se formam de gigantes coleções de gás no espaço quando algum tipo de onda de choque passa por estas nuvens de gás as comprimindo e as fazendo colapsar sobre si mesmas formando estrelas. Ao contrario da gente todas as estrelas se formam quase que simultâneamente desta maneira. Através do tempo começam a se afastar uma das outras, mas dependendo de diversos fatores podem permanecer unidas por longos períodos. As gigantes nuvens de gás em que se formam as estrelas se concentram no plano da galáxia, ao longo da Via Láctea. È por isto que a maior parte dos aglomerados abertos aí se encontra. Por isso são chamados também de aglomerados Galácticos.

José Eustaquio percebeu que os seus Cardumes ocorriam sempre ao Longo da via láctea e por isso calculou que ao longo daquela mancha no céu estavam sistemas associados. Mais que isto percebeu que outras estruturas tais como as Tocas e parceis se encontravam se olhando para fora da mancha leitosa que cruzava o céu e onde se encontravam os cardumes. Ele dizia que lá as águas eram mais profundas. Ele percebeu algo que só se teve certeza no século XX.

Edwin Hubble foi um observador do céu. Assim como José.

Edwin Powell Hubble nasceu em 20 de novembro de 1889. Foi ele que conseguiu determinar a distancia das nebulosas que a seculos escondiam dos cientistas sua verdadeira natureza. Ao conseguir determainar a verdadeira distancia destas ele provou que estas se encontravam para muito além da via lactea. Ele utilizou o telescópio de monte Wilson, Um Monstro em comparação ao pequeno aparelho de José Eustaquio. Utilizando variaveis Cefeidas , uma espécie de estrela que pode ser utilizada como um farol cósmico devido que o período de variação de seu brilho ser associada a seu brilho intrínseco , que ele conseguiu isolar com seu monstro na então Nebulosa de Andromeda. Posteriormente alargou ainda mais a coompreensão do universo com a máxima que “O universo esta se expandindo”. Sua constante determinou que” quanto mais longe mais rapidamente as outras galáxias se afastam de nossa via láctea.” Ele faleceu em 28de setembro de 1953.

José falou:

– Caro padre vou lhe mostrar que os cardumes seguem essa corrente . E somente os cardumes seguem a corrente .

Era Abril e a Via Láctea dominava o horizonte Sul . Se estendia desde Regor (Y velorum) a Sudoeste até Altair em Águia . Naquela noite ele ia mostrar para Dom João Silvano e Silva uma coisa que só se saberia em mais ou menos 180 anos. Talvez mais.

Os mais belos aglomerados abertos iam se descortinar perante o padre na frente do telescópio de José. E eles todos seguiam a tal corrente. Que desde a mais remota antiguidade era chamada de Via Láctea...

Segundo as nota de Silvano Silva que chegaram a meu poder a jornada daquela noite caminhou de Sudoeste para Les- nordeste seguindo a Via Láctea e observando os objetos já em direção a seu poente. Próximos ao horizonte oeste...

Começaram por Ngc 2547 , bem próximo a Regor .Em se levando em conta a data esta jornada começou bem cedo . Por volta das 18:00 no horário local. Devido a proximidade de Regor não há duvida com relação a este aglomerado. Como todos os aglomerados desta jornada ele se resolvia claramente para nossos observadores. O fato de telescópio de José resolver este aglomerado me leva a acreditar que este realmente tivesse em suas mãos o melhor telescópio que Lacaille teria levado para sua expedição já que este não resolveu este aglomerado em seu catalogo . Considerou este uma estrela nebulosa... O furto do seu telescópio permitiu que José fosse o primeiro a ver esta maravilha e desvendar sua verdadeira natureza. Provavelmente seu pai... Lacaille a catalogou como Lac III 2. È possível percebe-lo a olho nu como uma leve névoa próxima a Regor(Gama Velorum).

O próximo “cardume a cair nas redes de José foi o belo Ngc 2516 . Este em Carina . Este facilmente identificável devido a palavras de Dom João: “... seguindo –se no prolongamento do falso cruzeiro.” Este aglomerado fica exatamenteno exten~sao de uma linha imaginaria entre Kappa Velorum e Epsilon Carina no astreismo do falso cruzeiro.É outro objeto compartilhado por Lacaille.

Como que perseguindo o antigo dono de seu telescópio o próximo objeto é o belo IC 2391 , bem próximo a Delta Velorum. O que não deixa duvidas quanto a quem seja o objeto descrito.

O Objeto seguinte é um pouco mais difícil de se estabelecer. Ele é descrito como um cardume e claramente resolvido. Pela sua posição ( As posições registradas por Silvano Silva não são muito confiáveis e José não deixou registros de coordenadas de nenhuma espécie.) ele seria Ngc 2669. Como dito ele é bem próximo de Ic 2391 . A questão é que pelo equipamento de nossos amigos ele não se resolveria completamente. E devido a pequeno campo de visão ele não seria tão óbvio como em telescópios modernos que utilizando oculares diferentes seriam até mesmo capaz de ter ambos objetos no mesmo campo ocular. De qualquer forma é a opinião do autor que este objeto foi avistado e coompreendido por José.

Ngc 3114 é o próximo objeto. É possível percebe-lo a olho nú e só por isso foi possível determinar que objeto seria este . O padre diz apenas – “ pequena nebulosidade próxima a q Carina. Se resolve ao telescópio”. Este seria então uma descoberta original já que só foi registrado muitos anos depois por James Dunlop em 1826.

A seguir eles continuam no encalço de Lacaille e esta será uma eterna disputa. Parece que o Astrónomo frances deixou uma parte sua na ocular daquele telescópio perdido por ele ou roubado por alguém...

Um objeto famoso e facil: IC 2602 . As Plêiades do Sul. Este dispensa apresentações e inclui Theta Carina.



Outra piece de resistance segue na maratona e ele apresenta a grande nebulosa de Etha Carina . Há diversos aglomerados abertos envolvidos e parece que Dom João se refere a estes não percebendo tanto a nebulosidade. No periodeo é provavel que Etha Carina apresenta-se um brilho muito superior ao de hoje.

A seguir Ngc 3532 é visitado e não deixa duvidas quanto a sua natureza. Dom João a descreve co m bastante precisão : “... a ENE de Etha Carina , é proeminente a olho nú . Se resolve em muitas dezenas de estrelas . Sua região central é muito condensada...”. É de fato um belo Aglomerado.

Seguindo aquela linha magica que Dom João começava a vislumbrar eles desembocam num dos favoritas deste autor. Ngc 3766. Já em Centauro. Outro que não há como ter duvida da descrição deixada por Dom João. Descreve ainda o aglomerado de IC 2944 em volta de Lambda Centauro como um objeto próximo.

A seguir um objeto que pode ser original. Ngc 4755 . A Caixa de Jóias. Junto a Beta Crux e com Kappa crux como parceira não tem como não localizar. Dom João fala diversas vezes deste aglomerado e o estudou a fundo...

Seguindo os apontadores do cruzeiro na contra mão ele partem para constelações na época ainda não muito mapeadas .

Consegui determinar mais dois achados pela descrição de dom João. Um é o belíssimo campo onde se encontra Ngc 6067 na atual constelação ( criada por Lacaille)de Norma . E provavelmente em Lupus , o lobo eles encerram em Ngc 5822 que também seria um original de José Eustaquio.

Dom João batiza esta jornada como a linha Magica. E é de fato a linha mais marcante no horizonte austral durante o inicio do autono. Na próxima jornada José prometeu a Dom João mostrar a outra metade da linha. Esta Dom João desconfiava. Eram áreas do céu por ele mais visitadas. Mas José sempre trazia uma surpresa na manga.

Nenhum comentário:

Postar um comentário