quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Carpe Noctem e Harvard 5

                 
         


                Creio que a maioria dos leitores conheçam a expressão "Carpe Diem".
                 Ela é corriqueiramente traduzida como " Colha o dia" ou " Aproveite o dia".  A sua origem é bem mais erudita que nos faz supor Robin Williams e o filme "A Sociedade dos Poetas Mortos" ( filme que me levanta sempre a suspeita de ser uma espécie de remake de "O Ateneu" do Raul Pompéia ) .
                 É provável que o seu criador original tenha sido Horacio. Em Odes (I , 11.8)  ele diz a Leuconoe: " ... carpe diem quam minimum credula postero." ( Colhe o dia, quanto menos confia no amanhã).
                Ele busca convencer Leucone a aproveitar o momento presente e dele retirar todas as alegrias , sem se inquietar nem com o dia e nem com a hora de sua morte.
                Meu dia não seria um belo exemplo para o "postero" . Mas vinha por aí a noite e assim me ocorreu  uma máxima que convocou   minha  vontade astronômica.
                Carpe Noctem.
                Colheria a noite. Como quem colhe flores para um buquê. Mesmo que os campos na Stonehenge dos Pobres não fossem como as Ilhas Fortunosas.
                Na verdade   continuam em obras...
                De tão inspirado resolvi carpir ( capinar)  a minha noite de forma correta e aplicada. E assim nada como começar realizando um alinhamento polar melhor que o clássico "aponta e acredita" .  Uma tradição aqui pelo Nuncius Australis.
                 Conforme passa o ano vão mudando as estrelas que mimetizam a estrela polar em minha janela. Através de um método que reúne a preguiça com a falta de horizonte cada mês existe uma estrela mais bem colocada para a realização do Alinhamento Polar.
                Desdeque comecei a utilizar esta técnica já serviram para este papel Acrux ( Alpha do Cruzeiro) , Rigel Kent ( Alpha do Centauro) e agora a bola da vez e Atria (Alpha do Triângulo Austral). Ela cruzará o Meridiano as 19:42 horário local. E a estaria aguardando para te-la centralizada na cruzeta de minha buscadora polar imaginária.
                Como poderão ver se não deu certo deu quase certo. Exposições de 30 segundos com um drift minimo e incapaz de destruir minhas imagens.
                Meus planos são modestos. Visitar alguns velhos amigos e fazer umas poucas exposições de cada um deles. E  sempre tentar localizar algum buquê um pouco diferente para acrescentar as minha "Exsicatas".  Tudo isto em não mais que duas horas. Afinal preciso devolver se não os campos pelo menos a sala para o uso da família.
                 Eu poderia Carpe Noctem  mas não " all night long".
5 frames de 11 oferecidos ao DSS. + 4 dark frames. Só foi utiizado o DSS no pós processamento

                Assim nada como começar com uma velha amiga que em breve vai estar deixando os céus por algum tempo. Ngc 4755. A Caixinha de Jóias. Não pretendo me aprofundar sobre ela já que escrevi sobre a mesma ha algum tempo e tenho um esboço para um post dedicado.
                Mas vamos ao que viemos. Diversão . E Astro fotografia é a melhor diversão.
                Fiz pouco mais de uma dezena de exposições da vitima. A primeira com 30 segundos. Mas os níveis de poluição luminosa me levam a realizar exposições para  o "stacking" de apenas 15. Embora o alinhamento esteja bastante aceitável o fundo do céu e o bafo de sódio se apresentam muito evidentes em exposições mais longas. E os membros de 4755 não são timidos. Se apresentam mesmo nas menores
 exposições.  
                O bom da astrofotografia é que ela me garante um programa para noite toda. Pois mesmo depois que sou retirado da ocular pela cara metade ainda tenho todo o resto. O pós processamento , as vontades do Deep Sky Stacker ,as possibilidades do Photoshop. E ainda o post que registrará a observação. O log (blog) da observação. E assim diversas das etapas que fazem da astronomia amadora quase uma ciência. E uma arte com certeza...
Um mosaico com os resultados obtidos no Rot and Stack .
Canon T3 Newtoniano 150 mm
 11 frames + 1 dark Asa 3200 15 seg. exposição 
                Das 11 exposições que importei parao DSS ele concorda que 6 merecem ser "empilhadas". Como não estou na NASA e também não quero utilizar um Threshold muito baixo me dou satisfeito com o resultado. E como a Caixinha é de casa aplico uns poucos Dark frames e me dou por satisfeito. Ela sempre fica bonita. 
                Como dizem na capoeira : " A mulher para ser bonita não precisa se pintar...".
                Continuando pelos clássicos não resisto a posição favorável e visito alguem que ha muito não via. Omega Centauro. O Rei dos Globulares. Faço 15 exposições. Estas com 20 segundos. Um pouco mais alto no céu e menos comprometido pelas luzes do Metro. Mas confesso que a observação visual me deixou um pouco cabreiro. O gigante se apresentava bem lavado na buscadora e quase nada se resolvia na ocular de 25 mm.
Omega Cen. 8 light frames+5 Dark 20 seg asa 3200 . DSS

                Novamente o DSS não aceita todos os light frames. Mas desta vez eu resolvo brincar um pouco mais no  Photoshop e com o auxilio da ferramenta "curves" faço uma bela maquiagem no Globular. Sempre reparo nas letras "ch" que Omega carrega como uma cicatriz em seu rosto
.
                Agora vou em busca de minha exsicata. De uma forma sempre divertida. Sei que existem diversos aglomerados abertos mais obscuros escondidos por dentro do Cruzeiro do Sul. Alguns Ngc e outra flores mais exóticas. Depois de alguns anos acho que aglomerados abertos mesmo mais esparsos se denunciam. As vezes sou enganado. Mas não esta noite.  saindo de Acrux me dirijo para oeste. E passeando me deparo com diversos suspeitos. Todos modestos. Um me chama a atenção. Tenue mas mais concentrado me deixa na certeza de ter localizado alguma novidade. Observo bem e com o auxilio da 10 mm tenho certeza de sua natureza. Tiro alguma fotos. A pratica leva a perfeição e aglomerados abertos são o esteio do Nuncius Australis.


                Costumo saber o que eu observei. No caso sabia tratar-se de um aglomerado aberto. Mas saber exatamente qual , especialmente quando o localiza pelo método "easy rider" pode ser bem dificil. Em geral utilizo o Astrometry.net. Mas as vezes ele tenta lhe enganar. E se você se deixar levar acaba  deixando de levar seu buquê. Ele não possui todos os catalogos. Mas é bom em descobrir estrelas . E assim o utilizando junto ao Cartes du Ciel você acaba descobrindo aquelas flores mais raras que passam desapercebidas  pelo Astrometry e não constam no Stellarium.  Coisas como aglomerados dos Catalogos Collinder , Hogg, Alessi , Ruprecht , Lynga e cia Ltda.


                A surpresa da noite foi Harvard 5. Também ou mais conhecido como   Collinder 258 o pequeno aglomerado deveria ser mais lembrado. Embora não chegue a ser muito chamativo é obvio e facil de se localizar.É ainda o terceiro aglomerado mais brilhante de Crux com magnitude aparente de 7.1. Conto pouco mais de uma dezena de membros espalhados por pouco mais que 5´ de arco.  Uma pequena estrela de um vermelho pálido se destaca e diversas estrelas flicam ao fundo. Com visão periférica consigo perceber mais alguns membros. Entre as jóias da coroa Austral não seria mais que um pequeno brinco. Mas bem delicado. Localiza-se cerca de 3.800 anos luz daqui. E tem entre 80 e 120 milhões de anos. Jovem ainda.  A única imagem do mesmo que localizei foi da home page da WEBDA e juntamente com suas cordenadas tenho certeza de que fotografei a vitima certa. É um aglomerado pouco estudado mas localizei alguns papers onde apresentam alguns estudos fotométricos do mesmo em conjunto com outros obscuros aglomerados austrais.
                Foram oito fotos de minha nova "exsicata" e realizei diversos tratamentos a fim de obter um raro registro fotográfico desde meu novo buquê. Uma grata surpresa em uma noite  já enluarada e na habitual PL do Rio de Janeiro.  Exsicatas são amostras de plantas prensadas e secas em uma estufa.  Para mim são também  uma recordação de minha vó. Ela tinha ,por habito, guardar folhas e flores prensadas dentro de enciclopédias. Atá hoje encontro alguma perdidas dentro da Britannica que habita m meu corredor. Como recomenda o procedimento devo registrar junto a planta o local e a data da coleta. Rio de Janeiro . Entre 19:50 e 21:00 de 6 de Agosto de 2014.   
                Abaixo as fotos de Harvard 5 e respectivos procedimentos e softs utilizados no pós processamento.
8 Lightf frames 20 seg.+ 5 darks. DSS
 
Crop e Curves no Photoshop. A compressão do blogger aumentou o ruido....
                Ainda com algum tempo antes de acabar com aquilo que Lavoisier chamaria de " Nuit de Bonheur" eu volto ao Centauro. Mas desta vez sou enganado. Mais uma vez saio em busca de Ngc 5617. E mais uma vez fotografo Lynga 2. Recentemente fiz um post a respeito deste . E como o foco deixou a desejar este registro encera uma parte da missão desta noite.
Linga 2. 5 frames de 20 Seg. Rot n´stack Mean mode. O Dark frame foi autogerado. Isto talvez explique a cor...
                Afinal se astro fotografia é a melhor diversão descobrir e estudar o que foi capturado durante a noite faz dela astronomia. E assim algo muito maior....

P.S. - A foto que abre este post é uma demostração de como o Deep Sky stacker tem seus momentos rot n´Stack... Eu chamo de Pollock Mode e adoro os resultados....

                

Nenhum comentário:

Postar um comentário