quinta-feira, 11 de julho de 2013

Ngc 5822- Um Injustiçado em Noite Escura

            

           Talvez porque a Terra gire em volta do Sol ou talvez pela invenção do tempo todo ano eu faço anos. Por uma coincidência que parece relacionada ao fato que coincidências acontecem e que isto não tem nada haver com leis fundamentais do universo eu e minha filha fazemos aniversario no mesmo dia. 10 de Julho. Desta forma meus aniversários se tornaram bem mais calmos nesta ultima década. Afinal é festa de criança.
            E assim acabou a festa e ainda tinha tempo e sobriedade suficiente para aproveitar a lua ainda bem nova e ganhr um belo presente. Mais uma daquelas coincidências que independem das leis fundamentais do universo.
            “Descobri” Ngc 5822.  Um belíssimo e grande aglomerado galáctico que curiosamente é pouco cantado. Se espalhando por 40´ e bem próximo a Zeta Lupus é um alvo bastante fácil de ser localizado. Ainda mais brilhando com 7ª mag.
            Mas mesmo com todas essas qualidades ele escapou do Abbe Lacaille em seu levantamento dos céus austrais e foi apenas identificado quase um século depois por John Herschel (o filho). em 1836.
            Curiosamente este grande aglomerado possui pouquíssima documentação. Mesmo no NASA/Ipac Extragalactic Database há pouca informação a respeito do mesmo. ´
            Achei no mínimo estranho. Como já falei trata-se de um grande e belo aglomerado. Do mesmo nível que os mais conhecidos Ngc 2516 (Running Man Cluster), 2547 e mesmo IC2602.
            Tenho estado em uma fase “fotográfica” e com isto não tenho observado tanto. Em geral localizo o DSO e acoplo a câmera. E assim não observo. È importante não permitir que a astrofotografia se torne um fim nela mesma. Esta sessão foi bastante interessante por me lembrar disto.
            Eu não lembrava o nome, mas sabia que junto a Zeta Lupus habitam vários DSO´s. Decidido a encontrar pelo menos um deles eu sabia que achar o mais brilhante é o mais provável... Primeiramente localizei 5822 navegando com meu 15X70 mm. E dei uma bela namorada. O Aglomerado não chega a se resolver e com visão periférica gosto de acreditar que percebo três estrelas. Por esta imagem binocular ele me recorda Ngc 5281 (O Aglomerado de Cheshire). Resolvo que preciso ver aquilo melhor. E Aproximo o telescópio da janela. Como esta noite não irei fotografar o alinhamento polar se torna quase desnecessário. E por mais uma coincidência se faz bastante honesto e mais que suficiente para observação visual.
            Com uma Plossl 25 mm ele começa a se apresentar. Em uma primeira impressão ele me lembra uma “Marca do Zorro” estilizada e ao contrario. Suas estrelas mais brilhantes dão este padrão. Conforme vou olhando mais estrelas vão se resolvendo e a impressão se desfaz um pouco. Uma bela dupla bem junta habita o canto inferior esquerdo da ocular. O Aglomerado enche bem o campo e com mais estrelas de campo emoldurando ele forma uma bela paisagem. Depois troco a ocular e calço uma 17 mm. È o melhor resultado. O aglomerado enche o campo e se resolvem mais estrelas. O campo visual de minha 10 mm não é capaz de abarcar todo o aglomerado e se perde o contexto das outras oculares. E não se resolve mais que com a 17 mm. Volto para ela.
            Como falei é importante observar. E para estudar um DSO eu gosto muito de desenha-lo. Ao contrario de fotografias você é obrigado a prestar muito mais atenção no que esta vendo e assim acaba por descobrir detalhes que de outra forma passariam despercebidos.  Não que meus desenhos sejam lá muito fidedignos. Mas o processo é bastante enriquecedor...

            Fazia muito que não desenhava e havia me esquecido disto. Desta forma cheguei a diversas conclusões e ainda que sem confirmação parecem ser o melhor que conseguirei saber a respeito deste pouco comentado e injustiçado aglomerado aberto.
            Consigo resolver algumas dezenas de estrelas que me parecem membros reais do aglomerado. Na sua parte central há uma certa concentração de estrelas mais tênues que “flicam” com visão periférica. E seus membros mais brilhantes são bem brilhantes... Ele é cotado como um aglomerado de magnitude 7 no Stellarium. Em outras fontes ele se apresenta como magnitude 6,5. Eu o achei muito brilhante diria sem medo que ele atinge 6a magnitude e que pode ser percebido a olho nu em céus bem escuros. Mesmo lutando contra a forte poluição luminosa patrocinada pelo Governo do Estado do Rio ele se apresenta (um pouco discreto) na minha buscadora.
            Para localiza-lo eu parti de Alpha Centauro e me dirigindo rumo Nor-Noroeste cheguei rapidamente a Zeta Lupus. Com Zeta centralizada o aglomerado estará no canto da buscadora. Escaneie um pouco e ele vai acabar se mostrando. Atenção que ele se apresentará primeiramente como uma fraca estrela levemente enevoada. Depois melhora...
            Como resolve desenhar o bruto fiquei observando por um bom tempo. E apesar de nenhum “paper” ou diagrama HR para embasar minhas suposições eu seria capaz de apostar que se trata de um aglomerado bem jovem (não localizei nenhuma estrela avermelhada) e relativamente próximo (bastantes membros brilhantes mesmo com a poeirada que costuma apagar estrelas mais tênues no plano galáctico).  Suas estrelas não apresentam colorido e são todas de luz bem branca.
            Depois de fazer um Sketch eu acabo abandonando o belo aglomerado. Acho que nunca o tinha observado. Algo que me surpreendeu, pois passeio muito por estas bandas do céu e o aglomerado é grande e brilhante. Uma grata surpresa.
            A noite estava boa e dou um pulo em Alpha Circinus e logo depois em Beta Triangulo Australis. Seguindo esta linha esbarro meio sem quere em Ngc 6025. Este um velho conhecido que há muito não visitava. Não me lembrava dele tão bonito. È possível que nunca o tivesse observado com o “Newton”. (Refletor 150 mm). E Isto explicaria porque não tinha voltado aqui com mais frequência. É um aglomerado galáctico bem grande rico. Mais concentrado que o anterior, mas ainda assim se espalhando por 12´ de céu. Ele também se apresentou melhor com a ocular de 17 mm.
            Ngc 6025 é uma descoberta do Abbe Lacaille (5 de março de 1752) e um aglomerado bem mais conhecido que 5822. Diversos “papers” a respeito ou com ele entre os figurantes podem ser encontrados  clicando aqui
         O mesmo se encontra a cerca de 2400 anos nós.
            Uma curiosidade é que algumas fontes chama este belo aglomerado aberto de “Lambda Circinus Cluster”. Eu admito não entender a razão. O Aglomerado fica próximo à fronteira de Triangulo Australis e Norma. E Lambda Circinus não faz parte do aglomerado nem aqui nem perto do “Great Attractor”. Na verdade um dos fatos que faz de 6025 famoso é justamente se apresentar na mesma direção que este.

            Noite de lua nova são sempre boas para se caçar DSO’s. Velhos ou novos conhecidos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário