quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Ngc 3114- O Aglomerado Arecibo

       
       


           Ngc 3114 é mais um daqueles aglomerados abertos  que se escondem próximos a Grande Nebulosa de Eta Carina. Localizado em tão nobre vizinhança e bem no eixo do braço de Carina na  Via Láctea ele nem sempre é tão lembrado como deveria. Mas é definitivamente uma das paisagens mais deslumbrantes escondida na Constelação Astral de Carina , a quilha da finada constelação de Argos. É  o navio  celestial doa Argonautas   Não é pouca coisa.
                Dunlop foi o primeiro a identificar e descrever o aglomerado.   Eu particularmente acho sua descrição bastante exata e  se aproxima muito do que vejo na ocular . Especialmente  quando observado com meu refrator de 70 mm . Galileo é seu nome ( do telescópio).
                Ele é a entrada de numero 297 de seu  "Catalogo de Nebulosas e Aglomerados de Estrelas no Hemisfério Sul, Observado em Parramatta em Nova Gales do Sul" e publicado em no Philosophical Transactions of the Royal Society of London , Vol 118 ( 1828) . A apresentação deste trabalho  já demostra o caráter aventureiro e disposto deste observador pioneiro e conhecido como "O Astrônomo Cavalheiro de Paramatta. 
                 " As nebulosas e aglomerados de estrelas no hemisfério sul a seguir foram observados por mim na minha casa em Paramatta  situada a  6 o sul e cerca de 1s.78 de tempo a leste do observatório de Brisbane. As observações foram feitas ao ar livre , com um excelente  telescópio refletor  de 9-pés e com um abertura livre do espelho maior  sendo de 9 polegadas. Este telescópio era ocasionalmente montado como um telescópio meridiano, com um forte eixo de ferro firmemente preso a parte de baixo do tubo próximo  ao lodo oposto da celula do espelho primário. A ponta deste eixo possuía uma forma de Y que era aparafusada a blocos de madeira enterrados cerca de 18 polegadas no chão. No outro extremo do eixo eu instalei uma escala com um semicírculo dividido em meios graus e com leituras até minutos.   A posição e o  desvio do instrumento eram ajustados com a passagem de estrelas conhecidas. O lado da ocular do telescópio era apontado para cima ou para baixo através de um sistema de polia preso a um poste de madeira enterrado dois pés no chão. Com este aparato eu observei uma região de 8  10 graus com muito pouco desvio do instrumento em relação ao plano do meridiano e o tremor era pouco mesmo com grandes ampliações.  "  
                Com este método de "Alinhamento polar" e tão rustico set up eu acho quase uma falha de caráter de John Herschel   fazer criticas severas a Dunlop quando  ele vai fazer seu levantamento dos céus austrais  e não localiza diversas das entradas do catalogo elaborado por nosso herói.  John Herschelo fez um levantamento enorme. É  inegável . Mas contava com total apoio da Academia de Ciências. Afinal era filho de William Herschel. O astrônomo real e descobridor de Urano...
                De qualquer forma a entrada 297 foi confirmada e este "Dunlop´s Original" é descrito assim pelo descobridor:  " Um belo aglomerado de estrelas arranjado em linhas curvilineas que interceptam-se uma a outra , com cerca de 40´ de diâmetro com a extensão sul precedendo e a norte seguindo"
                Já o soberbo John Herschel o apresenta assim: "   A estrela chefe de 9a magnitude de um grande , frouxo, brilhante aglomerado que preenche diversos campos ( h 3224)
                Herschel retornou a este aglomerado três vezes durante seu levantamento e acabou por deixar um descrição mais justa e a altura de 3114: "  Enorme congregação ou região aglomerada de estrelas com 2 ou 3 campos em diâmetro constituindo decididamente um aglomerado. Devem haver centenas de estrelas..."
Ngc 3114- 10 expX15 seg asa 1600 Newtoniano 150 mm f8- Buzios -Janeiro de 2015
                Mas definitivamente quem teve a mais psicodélica visualização do aglomerado foi O´Meara. Em seu "Southern Gems" ele nos conta  perceber a figura de um radio telescópio escondido em meio as estrelas  do aglomerado. O´Meara defende em seu livro dedicado aos Objetos do Catalogo Messier que devemos fazer da observação um exercício de criatividade e buscar padrões e imagens cotidianas nos objetos que visitamos . Isto enriqueceria a experiência e traria uma dimensão humana ao nossas observações. Aqui ele realmente levou esta arte  a um novo patamar. Depois de muito esforço e algumas taças de vinho eu acabei por entender a viagem do renomado observador visual.  Nasce o Aglomerado Arecibo.


Na verdade pensei em batiza-lo como Aglomerado Tanguá  pois o desenho me lembrou muito as antenas da Embratel que se espalhavam junto a antiga estrada em direção a região dos Lagos no Rio de Janeiro  do que o imenso disco de Arecibo. Mas preferi conceder um apelido  mais digno a descoberta de Dunlop.
                O aglomerado é um alvo difícil de se estudar devido a sua  posição .  O Campo de observação é extremamente contaminado com diversas estrelas  tanto de nosso braço galáctico ( esporão de Órion)  como do braço de Carina ao fundo.  Trumpler classificou o aglomerado como  II 3 r .Isto nos explica que o aglomerado  rico , pouco destacado do fundo e possui estrelas com magnitudes variadas,
                 Estudos mais recentes  nos dizem que ele se espalha por 30 anos luz e reside nas saias do braço de Carina . Possui ao menos 200 membros embora seja difícil definir os limites exatos deste devido a contaminação de estrelas de campo.   O maior estudo realizado de Ngc 3114 foi realizado  por  G Cacrraro e F. Patat ( Astronomy e Astrophysics Vol.379)  e estes realizaram a fotometria de 2060 estrelas centradas em Ngc 3114 e apesar da contaminação esperada na região chegaram a conclusão  que este reside a  3.100 anos luz de nós e tem uma idade Inferior a 300.000.000 anos.  O valor mais provável é de 160.000.000 (Jorge frederico gonzalez  2001) .
                Não posso deixar de dar créditos aos cientistas brasileiros do Observatório Nacional  C.B. Pereira e c. Quireza  que em um paper do  International Astronomical union Symposium de 2010  apresentaram uma analise quimica de 7 gigantes vermelhas de 3114. Elas são tão abundantes em metais quanto o nosso sol. O que concorda com a distribuição radial de Fe (Ferro)  esperada nos braços galácticos...
                Eu observei Ngc 3114 diversas vezes e com diversos equipamentos. Ele  é um bom aglomerado para se utilizar pouca ampliação e um bom alvo binocular .
Observado com Refrator 70 mm f13 - Ocular 20 mm 
                Foi um dos primeiros aglomerados que desenhei e também um dos primeiros DSOs observados.
                Recentemente o fotografei pela primeira vez. As fotos foram feitas em Búzios . Confesso que cheguei nele desta vez sem nem procurar. Apenas passeando pela rica região ao redor da Nebulosa de Eta Carina . Em locais escuros o Aglomerado é facilmente percebido a olho nu . Mas se tiver dificuldades para localiza´lo ou identifica lo em tão rica região  Localize Iota Carina (Aspidiske) e a Nebulosa de Eta Car. O aglomerado resido no meio destas duas.

                Ngc 3114  é uma bela jóia da Coroa Austral;Será que você consegue perceber um radio Telescópio escondido nele?  

Um comentário:

  1. Realmente, uma verdadeira jóia. Achei nesta madrugada por acaso e vim pesquisar. Mais uma vez seu Blog deu uma luz preciosa. Muito obrigado.

    ResponderExcluir