domingo, 11 de abril de 2010

Cosmos - As Ponte Temporais


As pontes temporais.
Quando li o artigo sobre os quasares (Steve Gotlieb) e as suas anomalias em relação ao “red shift” padrão me pus a imaginar.
Segundo o tal artigo o quasar 3c 273(O primeiro a ser identificado) teria um link físico com o aglomerado galáctico de Coma Virgem.
O problema principal é o fato de seu Redshift o colocar a bilhões de anos das galáxias no Aglomerado.
Arp publicou um Mapa em raios-X da região onde se percebe um largo filamento se estendendo desde as gigantes elípticas no centro (M87, por exemplo) do aglomerado até o quasar. Se esta ponte é real então quasar faz parte do aglomerado.
O que se põe então é como. Seria apenas um alinhamento casual?
A situação (da anomalia no Redshift) se repete em outras galáxias, ou em grupos onde as tais “pontes de raios-X” também se apresentam. ( Ngc 5980/2)
Não poderia isto ser causado porque os quasares serem, na realidade, relictos destas mesmas galáxias a que são associados. No caso eles seriam a imagem destas mesmas galáxias antes das mesmas existirem. Isto explicaria os níveis altíssimos de energia necessários existência destes objetos. A questão que aí se coloca é que a luz teria de apresentar velocidades diferentes em diferentes momentos da história do universo e que cada um dos objetos o seu tempo e história evolutiva acontecendo com diferentes velocidades. Ou seja, que a Velocidade da luz não é uma constante. Ou que embora constante ela varie em relação à densidade do momento inicial.
Por fim os associações quasares / galáxias não seriam associações, mas sim registros de um mesmo objeto em diferentes momentos. Apenas distantes no tempo.
Isto poderia levar a problemas de ter de se desassociar o espaço /tempo. Mas talvez não.
Pois os quasares sendo mais distantes temporalmente são mais densos e podem conter a mesma massa em menos espaço assim como espaço/tempo no começo onde toda massa e todo espaço e todo o tempo estavam concentrados em uma singularidade.

Bibliografia
Where the bridge´s? and other redshift anomalies in http://www.astronomy-mall.com/Adventures.In.Deep.Space/arpredshift.htm


Nenhum comentário:

Postar um comentário