segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Ngc 1851: O Aglomerado de Rosse

         
               William Parson, 30 Conde de Rosse construiu o maior telescópio de seu tempo. Um monstro (para época) com um espelho primário de 1.8 metros. Foi uma árdua batalha pois as técnicas para a confecção de um espelho deste tamanho simplesmente não existiam e os que tinham alguma experiência guardavam suas técnicas debaixo de sete chaves. A metalização deste foi resultado de muitas tentativas e erros. 

                O “Leviatã de Parsontown” era realmente um monstro. Sua operação demandava diversos assistentes. Entre eles  ninguém menos que  J. Dreyer ( entre 1874 e 1878)  , responsável e organizador do monumental “New General Catalog”  (Ngc) e do “ Index Catalog”( IC) .
                Apesar do inclemente clima irlandês Parson realizou, a partir de abril de 1845, diversas observações e desenhos. Seu grande legado foi a descoberta da estrutura espiralada de diversas nebulosas. Ele foi o primeiro a perceber o que hoje chamamos de galáxias espirais e os desenho por ele feitos   muito lembram modernas fotografias. 
30X 20 seg asa 3200 Newton 150 mm f8 Canon T3 -2X drizzle no DSS + Gimp + fits
A foto que abre o Post é resultado das mesmas fotos mas foi submetida a 3X drizzle no DSS; 
                Mas seu sucesso acabou por ser sua desgraça. Ele começou a ver espirais em todos os lugares. Até mesmo em aglomerados abertos.
                Assim o DSO que apresentamos hoje deve seu nome e sobrenome aos Jardins do Castelo de Birr.  Ngc 1851 (a entrada de numero 1851 do New General Catalog de Dreyer) também é chamado  de “O Aglomerado de Rosse”.  Embora não existam registros de que Lorde Rosse tenha alguma vez o observado.

                O apelido nasceu de minha primeira impressão ao fotografar Ngc 1851. Em uma noite devotada exclusivamente a astrofotografia eu tinha  obtido um foco mais aceitável do que normalmente obtenho com meu focalizador de cremalheira. E assim decidi que não iria mais tirar a câmera para caçar os DSO´s que eu tinha listados para a noite. Observando sob céus urbanos ( bortle 8)  caçar DSO´s utilizando somente a buscadora pode ser bem ingrato. Mas quando se fala em teoria das probabilidades é bom lembrar que ele poderia ser chamada de Teoria das Improbabilidades... E assim acabei por localizar o que desconfiava ser Ngc 1851 utilizando somente a buscadora. Logicamente que havia feito bem o dever de casa e tinha estudado bastante os mapas da constelação de Columba (a Pomba) aonde reside O Aglomerado de Rosse.
Sem nenhuma forma de ampliação esta foto é muito semelhante ao que você irá perceber junto a uma ocular de 30 mm. 

                Columba não é exatamente uma das constelações mais populares. Localizada logo abaixo de Lepus ( a Lebre) e desta forma habitando  fronteira pouco vigiada entre Cão Maior e  Puppis  perceber algo na região sob os faróis de xênon que iluminavam os céus de Botafogo as vésperas do réveillon foi um misto de improbabilidade e de eficiência tecnológica. O “go-to” de Mmde. Herschel (minha cabeça equatorial HEQ5) estava em noite de glória e apesar de não me enviar diretamente para Ngc 1851 me deixou bem perto. E assim mesmo pela buscadora haviam poucos suspeitos. Depois de fotografar um suspeito por engano acabei por identificar a estrela “peluda” no campo da buscadora.
                Logo que vi a primeira foto me lembrei de Lord Rosse. O pequeno globular possui “braços” se enroscando em volta de seu núcleo mais denso e brilhante e não posso deixar de me lembra de uma galáxia espiralando-se. O 3o Conde de Earl  iria amar a paisagem. Praticamente “confirmaria” sua hipótese...

                Ngc 1851 fica a aproximadamente 8o de Phact, a estrela alfa de Columbae. Com mag. 2.65 é uma estrela de muita história. Diversas construções no Egito antigo tinham sua construção orientada por ela.  Outra interessante estrela na apagada constelação é MU Columbae. Esta uma “estrela fugitiva” que deve ter sido ejetada da associação estelar de Orion devido a explosões de supernovas. Apresenta uma incrível velocidade se comparada ao meio interestelar a sua volta e deve dividir a origem de sua história com AE Auriga. Ambas deve ter se lançado em direções contrarias a partir da Nebulosa de Órion no momento que uma ou mais supernovas criaram o atual Loop de Barnard.  53 Arietis também faz parte desta coleção de fugitivas.
                Ngc 1851 foi descoberto por Dunlop e incluído como a entrada número 508 do seu catálogo de 1827.
                “ Uma extremamente brilhante, redonda, bem definida nebulosa, extremamente condensada, até quase o limite. Esta é a mais brilhante pequena nebulosa que já avistei. Tentei diversas magnificações neste lindo globo; uma considerável porção em suas margens é resolvível, mas a condensação central é tamanha que eu não consigo separar estrelas. Eu a comparo com 68 com,des Temps ( M68 e o catalogo Messier) e esta nebulosa supera em muito 68 em condensação e brilho”.
                Como não poderia deixar de ser Ngc 1851 também foi observada por John Herschel, o qual também se encantou com a peça. Com mais poder de fogo ele resolve o globular quase na integra.
                “Aglomerado globular soberbo, todo resolvido em estrelas de 14a magnitude; repentinamente muito mais brilhante em direção ao centro para um esplendor ou núcleo de luz. Diâmetro em A.R.= 15 ´´. A diferença em se observando este objeto com meu olho direito e depois o esquerdo é memorável.  Retornando do esquerdo para o direito, o objeto (em comparação) parece envolto em um filme opaco”.
                Utilizo esporadicamente esta técnica  (de observar hora com um olho hora com outro) e sempre percebo diferença. Mas atribuo isto ao fato que minha vista esquerda tem menos astigmatismo que a direita. Embora meu olho dominante seja o direito e por isto o use mais em observações. O efeito obtido por Herschel não me parece ter outra razão de ser.
                Em tempos mais modernos Ngc é incluído por Burnham em se “ Celestial´s Handbook”, mas este somente apresenta a descrição do Ngc.
                Sir Patrick Moore o inclui como a sua 73a de sua lista observacional e assim James O´Meara o descreve em seu “The Caldwell Objects”. Neste ele percebe os “braços espirais” que eu notei como “tênues asas semelhantes as que se vê em M13”. Ele deve ser referir as famosas “hélices” (“The Propellers”) que são bem evidentes sobrepostas no Grande Globular de Hercules e que foram descritas por Lorde Rosse.
                Ngc 1851 é um globular bem estudado e que traz folego a teorias recentes sobre como globulares (especialmente o que habitam o halo) tem uma formação bem mais complexa do que se supunha e que estes apresentam diversas fazes de formação estelar. Desta forma se aproximando muito das chamadas galáxias anãs esferoidais e demonstrando como o antigo modelo monolítico de formação de globulares e galáxias ainda é incompleto.
                Ngc 1851 ainda é candidato a possuir um buraco negro em sua região central.



                Localizar o aglomerado em céus urbanos pode ser difícil. Na verdade, contei com o auxilio luxuoso de Mdme. Herschel nesta tarefa. Mas o starhopping mais obvio se inicia em Phact (Alfa Columbae) que será percebida ainda que discreta em céu urbano. Ela forma um triangulo reto com Beta e Épsilon Columbae. Com Épsilon na buscadora calcule um pouco mais de meio campo (3o) e comece a perscrutar por um pequeno triangulo de estrelas. Com este centralizado na buscadora procure uma estrela “suspeita” a sul-sudoeste. Será Ngc 1851.

                Um interessantíssimo globular com um forma realmente encantadora e que se apresenta longe da maioria dos globulares, que costumam  se localizar em direção ao centro galáctico. Juntamente com M79 forma uma dupla de globulares deslocados e disponíveis para o verão.

                

Nenhum comentário:

Postar um comentário